Consequência do corte raso e da pluviometria sobre a produção de raízes finas, CO2, N2O e CH4 até o lençol freático em povoamentos de Eucalyptus grandis conduzidos em talhadia

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2019-06-21

Orientador

Laclau, Jean-Paul
Amaral Guerrini, Iraê
Jourdan, Christophe

Coorientador

Pós-graduação

Ciência Florestal - FCA

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Tese de doutorado

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Melhorar nossa compreensão sobre a dinâmica espaço-temporal de raízes finas e dos gases de efeito estufa em camadas profundas do solo é um componente chave para identificar práticas silviculturais mais sustentáveis para florestas plantadas num contexto de mudança climática e para melhorar os atuais modelos biogeoquímicos. Nosso estudo teve como objetivo avaliar o efeito do corte raso e da seca na produção de raízes finas, nos efluxos de CO2, CH4 e N2O do solo e da produção ao longo dos perfis profundos do solo até o lençol freático nas plantações de eucalipto manejadas em talhadia. A raízes finas foram amostradas até 17 m de profundidade num experimento de exclusão de chuva comparando parcelas com 37% de precipitação excluída (-W) e sem exclusão de chuva (+ W). A dinâmica das raízes foi estudada usando minirhizotron em duas trincheiras permanentes até 17 m de profundidade nos tratamentos -W e + W, durante 1 ano antes do corte raso e 2 anos depois do corte em talhadia, e tambem até 4 m de profundidade numa parcela sem corte (NH), servindo como controle. Os efluxos de CO2, CH4 e N2O na superfície do solo foram medidos ao longo de três anos utilizando o método de câmara manual nos tratamentos -W, + W e NH. As concentrações de CO2, CH4 e N2O no solo foram medidas a partir das trincheiras até uma profundidade de 15.5 m nos tratamentos -W, + W e NH durante 3 meses antes do corte raso e 1.5 ano depois em talhadia. Após o corte, ocorreu um grande crescimento radicular das árvores conduzidas em talhadia nas camadas muito profundas do solo (> 13 m) e, surpreendentemente, a mortalidade das raízes permaneceu extremamente baixa, independentemente da profundidade e do tratamento. A biomassa total de raízes finas em talhadia até 17 m de profundidade foi de 1266 e 1017 g m-2 em + W e -W, respectivamente, 1.5 ano após o corte raso, e 1078 g m-2 em NH 7.5 anos após o plantio. O comprimento específico e a área específica das raízes foram cerca de 15% maiores em -W do que em + W. Os efluxos de CO2, CH4 e N2O não foram significativamente diferentes entre -W e + W e não alteraram após o corte raso nas parcelas manejadas por talhadia em comparação com o povoamento não colhido. As concentrações de CO2 e CH4 aumentaram muito com a profundidade e as concentrações de N2O permaneceram aproximadamente constantes na superfície do solo até uma profundidade de 15.5 m. As concentrações médias de CO2 e N2O em -W foram 20.7% e 7.6% menores que em + W, respectivamente, e as concentrações de CH4 em -W foram 44.4% maiores que em + W em todo o perfil de solo. Um modelo de difusividade mostrou que a produção e o consumo de CO2, N2O e CH4 ocorreram em grandes profundidades e foram similares nos tratamentos + W, -W e NH. O corte raso não aumentou os efluxos e as produções de CO2, CH4 e N2O, independentemente do regime de abastecimento de água. O estabelecimento de sistemas radiculares profundos em florestas tropicais plantadas pode ajudar as árvores a resistir aos longos períodos de seca esperados pelas mudanças climáticas em muitas regiões tropicais Nosso estudo em plantações de eucaliptos manejados em talhadia, representativas de grandes áreas tropicais, sugere que as emissões de gases de efeito estufa podem ser pouco influenciadas pelas mudanças nos padrões de precipitação devido às mudanças climáticas.

Descrição

Idioma

Inglês

Como citar

Itens relacionados