O lúdico e seus desdobramentos na poesia de Jacques Prévert e Mario Quintana

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2012-05-24

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O objetivo deste trabalho é comparar a poesia de Jacques Prévert e de Mario Quintana à luz dos elementos lúdicos que ambos, em nosso entender, apresentam. Levando em consideração principalmente a teoria de Johan Huizinga sobre o jogo e a poesia, analisamos poemas de Prévert e de Quintana tentando apontar as diferenças e as semelhanças do processo lúdico em ambos. Consideramos ainda a influência que o movimento surrealista exerce sobre os dois poetas estudados e a ligação deste movimento com o jogo. Iniciamos esta pesquisa utilizando o livro Homo ludens de Huizinga e, posteriormente, intentamos fazer um percurso sobre a teoria do jogo. Consideramos, inicialmente, a Crítica da faculdade do juízo de Kant e A educação estética do homem de Schiller e a contribuição de ambos para o início de uma efetiva teorização sobre o jogo. Levamos em conta ainda, as considerações de Umberto Eco e de Roger Caillois, no que estes podiam acrescentar à teoria de Huizinga, além das aproximações entre poesia e mito apontadas por Ernst Cassirer. Desse modo, embasados nessas proposições teóricas, pensamos ter encontrado uma intersecção entre poesia e jogo e tê-la utilizado como principal elemento de comparação entre os dois poetas acima mencionados
It is this work’s goal to compare the poetry of Jacques Prévert and Mario Quintana based on the ludic elements which, for us, both of them present. Considering especially Johan Huizinga’s theory about the play and the poetry, we analyzed poems of Prévert and Quintana, in which we pointed the differences and similarities of the ludic process in both poets. We also considered the fact that both poets were influenced by the surrealistic movement and the connection between this movement and the concept of play. In the start of this research we used Huizinga’s Homo ludens, and then we analyzed the trajectory of the theory of play – through Kant’s Crítica da faculdade do juízo and Schiller’s A educação estética do homem, books which have a great contribution to an effective theorization of play. We also studied the commentaries of Umberto Eco and Roger Caillois, considering what they can add on Huizinga’s theory. At last we analyzed the approximations between poetry and myth pointed by Ernst Cassirer. So, through this theoretical propositions, we can conclude that there is an intersection between poetry and play – and it was our objective to compare Prévert’s and Quintana’s poetry considering this intersection

Descrição

Palavras-chave

Prevert, Jacques, 1900-1977, Quintana, Mario, 1906-1994, Huizinga, Johan, 1872-1945, Literatura brasileira, Literatura francesa, Poesia, Surrealismo (Literatura), Poetry, Surrealism

Como citar

SIMÕES, Adriana Rodrigues. O lúdico e seus desdobramentos na poesia de Jacques Prévert e Mario Quintana. 2012. 87 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2012.