Balanço do nitrogênio da uréia (15N) no sistema solo-planta na implantação da semeadura direta na cultura do milho

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2006-01-01

Orientador

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Instituto Agronômico de Campinas

Tipo

Artigo

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (português)

Este trabalho teve como objetivo estudar as possíveis alterações na produção e partição da fitomassa vegetal, no acúmulo de nitrogênio total e do nitrogênio na planta proveniente do fertilizante (NPPF), utilizando-se uréia (15N) aplicada em adubação de cobertura, na cultura do milho, na fase de implantação do manejo de semeadura direta. Com essa finalidade foi desenvolvido um experimento em campo, em Nitossolo localizado na Fazenda Água Sumida próximo ao município de Barra Bonita (SP). O delineamento experimental foi o de blocos completos ao acaso, com quatro repetições. Os tratamentos estudados foram: sistema de plantio convencional (uma aração e duas gradagens) e sistema de semeadura direta, ambos adubados com uréia (15N), na dose de 100 kg ha-1 de N em cobertura. em todos os tratamentos, foi feita adubação de semeadura, aplicando-se 25 kg ha-1 de N na forma de uréia, 80 kg ha-1 de P2O5 na forma de superfosfato simples e 60 kg ha-1 de K2O como cloreto de potássio. No fim do ciclo foram realizadas comparações entre os tratamentos, da produtividade da cultura; da acumulação de nitrogênio pela parte aérea e parte subterrânea; da utilização do nitrogênio da uréia (15N) pela cultura do milho e do nitrogênio residual do fertilizante no solo. As modificações no solo causadas pela implantação da semeadura direta não restringiram a disponibilidade de N para as plantas de milho e, por conseguinte, a produção de material seco. A eficiência de utilização do fertilizante nitrogenado (EUFN) pelo milho e a recuperação do fertilizante nitrogenado no solo (RFNS) foram, respectivamente, em torno de 45% e 30% para o N-uréia aplicado em cobertura não havendo diferença entre os sistemas de cultivo convencional e direto. Independentemente do sistema, o nitrogênio não recuperado da uréia, aplicado em cobertura na cultura do milho (NNR) foi em média de 25%.

Resumo (inglês)

This work aimed to study possible alterations in the production and partitioning of the phytomass, in the accumulation of total nitrogen and nitrogen in the plant derived from the fertilizer, by using the 15N side-dressing fertilization at the establishment of no-till management. The experiment was carried out in a Nitosol at Água Sumida Farm located near Barra Bonita, State of São Paulo. The experiment was arranged in completely randomized block design, with 4 replicates. The following treatments were studied: conventional tillage system (one ploughing and two harrowings) and no-tilllage, both fertilized with urea (15N) applied at the rate of 100 kg ha-1 nitrogen. All treatments were subjected to sowing fertilization, by applying 25 kg ha-1 N as urea, 80 kg ha-1 P2O5 as simple superphosphate and 60 kg ha-1 K2O as potassium chloride. At the end of the phenological cycle, the following comparisons among the treatments were performed: crop yeld; nitrogen accumulation in the aerial and underground parts; use of nitrogen from urea (15N) and residual nitrogen in the soil. The modifications of the soil caused by implantation of no-till neither restricted the availability of nitrogen to maize plants, nor the production of dry matter. The use efficiency of nitrogen fertilization of maize plants and the recovery of the soil nitrogen fertilizer were around 45% and 30%, respectively, for the urea-N side-dressing fertilization in both conventional and no-till systems. Nitrogen applied as side-dressing fertilization, and not recovered from urea (NNR) averaged 25%, independently of the sowing system.

Descrição

Idioma

Português

Como citar

Bragantia. Instituto Agronômico de Campinas, v. 65, n. 3, p. 477-486, 2006.

Itens relacionados