Estudo comparado da resposta antitumoral in vitro da curcumina, curcuma homeopática e mitoxantrona em carcinoma urotelial de bexiga canino e humano

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2022-07-27

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O carcinoma urotelial corresponde a 2% das neoplasias malignas do trato urinário, sendo a de maior ocorrência em bexiga. Seu tratamento inclui excisão cirúrgica, quimioterapia, inibidores de cicloxigenase (COX), radioterapia, ou a combinação desses. Entretanto, a intervenção cirúrgica muitas vezes é inviabilizada pela localização da lesão. Compostos obtidos de plantas vem ganhando destaque e gerando novas pesquisas na medicina. A curcumina é o principal composto ativo da cúrcuma e possui efeito antiproliferativo e próapoptótico satisfatório, já descrito em diferentes linhagens neoplásicas. Sua eficácia quando associados a diversos quimioterápicos tem sido avaliada na busca de aumentar seus efeitos e biodisponibilidade. Nosso estudo baseou-se na utilização de 3 linhagens tumorais caninas e 1 humana (AXA, AXC, SH e T24) para avaliar os efeitos da curcumina, Curcuma longa D6 e mitoxantrona. Analisamos a viabilidade celular, apoptose, necrose, migração celular e expressão de genes de invasão. A Curcuma longa D6, curcumina e mitoxantrona se mostraram eficazes na redução da viabilidade celular de cultura de carcinoma urotelial canino e humano, sendo a apoptose tardia o mecanismo de morte celular mais evidente. Ainda, observamos efeitos na redução na migração celular com o uso de Curcuma longa D6 nas linhagens SH eT24. A expressão de genes relacionados a invasão celular foi distinta entre os grupos e sugerem diferenças nas assinaturas gênicas das linhagem. Desta forma, deve-se incentivar e buscar maiores elucidações a cerca do uso da curcuma e seus derivados, associados ou não a quimioterapicos em células de carcinoma urotelial de bexiga canino.
Urothelial carcinoma corresponds to 2% of malignant neoplasms of the urinary tract, with the highest occurrence in the bladder. The treatment includes surgical excision, chemotherapy, cyclooxygenase inhibitors (COX), radiation therapy, or a combination of these. However, surgical intervention is often unfeasible due to the location of the lesion. Compounds obtained from plants have been gaining prominence and generating new research in medicine. Curcumin is the main active compound of turmeric and has a satisfactory antiproliferative and proapoptotic effect already described in different neoplastic lineages. Its effectiveness, when associated with several chemotherapeutic agents, has been evaluated in the search to increase its effects and bioavailability. Our study was based on the use of 3 canines and 1 human tumor cell line (AXA, AXC, SH, and T24) to evaluate the effects of curcumin, Curcuma longa D6, and mitoxantrone. We analyzed cell viability, apoptosis, necrosis, cell migration, and expression of cell invasion genes. Curcuma longa D6, curcumin, and mitoxantrone were shown to be effective in reducing the cell viability of canine and human urothelial carcinoma cultures, with late apoptosis being the most evident mechanism of cell death. Furthermore, we observed effects in the reduction of cell migration with the use of Curcuma longa D6 in the SH and T24 strains. The expression of genes related to cell invasion was different between the groups and suggests differences in the gene signatures of the lineages. In this way, we should encourage and seek further elucidations about the use of turmeric and its derivatives, associated or not with chemotherapeutics in canine bladder urothelial carcinoma cells.

Descrição

Palavras-chave

Bexiga, Urotelial, Cão, Curcumina, Quimioterapia, Bladder, Urothelial, Dog, Curcumin, Chemotherapy

Como citar