Cães e gatos: expressão das lesões em intoxicações criminais

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2015-02-24

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

The cases of poisoning no intentional or intentional are common in the history of the Veterinary Medicine mainly in animals of company as dogs and cats. The Legal Veterinary Medicine use these tools in the base of technical decisions to aid processes, involving crimes with animals. According to the Law of Environmental Crimes 9.605 of February 12 of 1998, poisoning in animals is considered crime of mistreatments. The appropriate recognition of the clinical signs, lesions anatomical pathological that characterizes the cases of intoxication that take to death associated with the methods of identification laboratorial of forensic toxicology is fundamental to establish a definitive diagnosis of the toxic agent. In the present work was made analysis of lesions relation of toxic agents and context of Veterinary Forensic Medicine in these situations. In period 2009 to 2014 are selected from the archive of Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, UNESP - Universidade Estadual Paulista, Campus de Botucatu, Departamento de Clínica Veterinária, Serviço de Patologia Veterinária 42 cases, 31 (73,8%) dogs and 11 (26,2%) cats. These cases 21 (50%) feature Boletim de Ocorrência and 22 (52,4%) are made toxicologycal exam. The highest prevalence ware intoxication for carbamate. The necropsy revealed that main causa mortis were cardiac respiratory insufficiency and hypovolemic shock. In histopathology of liver, kidney and brain the main lesions are congestion, degeneration and bledding. The organs show signs of autolysis and putrefaction. The diagnostic technics used are additional and help veterinarion to make reports for litigation in cases of criminal intoxication
Os casos de intoxicações não intencionais ou intencionais são comuns na história da Medicina Veterinária principalmente em animais de companhia como cães e gatos. A Medicina Veterinária Legal utiliza amplo conhecimento para fundamentar laudos técnicos que tem como função auxiliar processos judiciais. De acordo com o artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais 9.605 de 12 de fevereiro de 1998, intoxicar animais é crime de maus tratos. O reconhecimento adequado dos sinais clínicos, lesões anatomopatológicas características dos casos de intoxicação que levam á óbito associados com os métodos de identificação laboratorial de toxicologia forense, são fundamentais para estabelecer um diagnóstico definitivo do agente tóxico. No presente trabalho objetivou-se ampliar os estudos na área de Medicina Veterinária Legal e identificar lesões anatomopatológicas decorrentes de intoxicação em cães e gatos. No período de 2009 a 2014 foram selecionados do arquivo da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, UNESP - Universidade Estadual Paulista, Campus de Botucatu, Departamento de Clínica Veterinária, Serviço de Patologia Veterinária, 42 casos, sendo 31 (73,8%) cães e 11 (26,2%) gatos. Destes casos 21 (50%) apresentaram Boletim de Ocorrência e 22 (52,4%) realizaram exame toxicológico. A maior prevalência foi de intoxicações por carbamato. O exame necroscópico revelou que a as principais causa mortis foram insuficiência cardiorrespiratória e choque hipovolêmico. No exame histopatológico de fígado, rim e encéfalo as principais lesões observadas foram congestão, degeneração e hemorragia. Os órgãos apresentaram sinais de autólise e putrefação. As técnicas diagnósticas utilizadas são complementares e auxiliam o Médico Veterinário a elaborar laudos técnicos para processos judiciais nos casos de intoxicações criminais

Descrição

Palavras-chave

Cão, Gato, Intoxicação, Histopatologia veterinaria, Toxicologia forense, Morte - Causas, Necropsia veterinaria, Death - Causes, Forensic toxicology

Como citar

TREMORI, Tália Missen. Cães e gatos: expressão das lesões em intoxicações criminais. 2015. 60 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, 2015.