Biocompatibilidade do implante 3d de elastômero termoplástico (tpe), comparado ao flape dos músculos esternocefálicos no reparo de defeitos parciais de traqueia em coelhos nova zelândia (oryctolagus cuniculus)

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-02-03

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Objetivou-se com este trabalho avaliar a eficácia da prótese 3D de Elastômero Termoplástico (TPE) no reparo de defeito parcial em traqueia, utilizando a técnica de impressão em três dimensões por modelagem de fusão e deposição (FDM). No presente estudo, 32 coelhos foram distribuídos em dois grupos, submetidos à ressecção parcial de cinco anéis traqueais, sendo o Grupo Flape Muscular (GFM) com remoção do defeito traqueal e realização de flape do músculo esternocefálico sobre o local do defeito e o Grupo TPE (GTPE), com remoção do defeito traqueal e fixação de prótese 3D de TPE e avaliados aos sete, 15, 30 e 60 dias. No pós-operatório, os animais foram avaliados para identificar alterações clínicas. Baseado nos resultados, observou-se que a tosse foi estatisticamente significante (p=0,035) com maior ocorrência no grupo GFM. Após análise dos dados, não foi observada diferença estatística nas temperaturas do local cirúrgico pela termografia entre os grupos estudados ou dentro dos períodos avaliados. Na traqueoscopia, a presença de secreção intraluminal sobre o local de reparo apresentou diferença estatística significante no grupo GTPE (p=0,006), a formação de tecido exuberante foi estatisticamente significante no grupo GFM (0,001). À avaliação microscópica, o grupo GFM apresentou epitelização total do lúmen traqueal reparado aos 60 dias. Os resultados encontrados sugerem que o elastômero termoplástico utilizado para a confecção da prótese parcial de traqueia apresentou compatibilidade tecidual. A prótese 3D de Elastômero Termoplástico (TPE) mostrou-se viável como implante em defeitos parciais de traqueia, com mínimas complicações respiratórias ao longo do período de 60 dias.
The objective of this work was to evaluate the effectiveness of the 3D Thermoplastic Elastomer (TPE) prosthesis in the repair of a partial defect in the trachea, using the three-dimensional printing technique by Fusion and Deposition Modeling (FDM). In the present study, 32 rabbits were divided into two groups, submitted to partial resection of five tracheal rings, the Muscular Flap Group (GFM) with removal of the tracheal defect and the creation of a flap of the sternocephalic muscle over the defect site and the TPE Group (GTPE), with removal of the tracheal defect and fixation of a 3D TPE prosthesis and evaluated at seven, 15, 30 and 60 days. Postoperatively, the animals were evaluated to identify clinical changes. Based on the results, it was observed that cough was statistically significant (p=0.035) with a higher occurrence in the GFM group. After analyzing the data, no statistical difference was observed in the temperatures of the surgical site by thermography between the groups studied or within the periods evaluated. At tracheoscopy, the presence of intraluminal secretion over the repair site showed a statistically significant difference in the GTPE group (p=0.006), the formation of exuberant tissue was statistically significant in the GFM group (0.001). At microscopic evaluation, the GFM group showed total epithelialization of the repaired tracheal lumen at 60 days. The results found suggest that the thermoplastic elastomer used to manufacture the partial tracheal prosthesis presented tissue compatibility. The 3D Thermoplastic Elastomer (TPE) prosthesis proved to be viable as an implant in partial tracheal defects, with minimal respiratory complications over the 60-day period.

Descrição

Palavras-chave

Estenose, Modelagem de deposição por fundição, Prótese, Termografia

Como citar