Avaliação da máscara laríngea como alternativa a sonda endotraqueal para manutenção da anestesia inalatória sob ventilação espontânea em capivaras (Hydrochoerus hydrochaerus)

Imagem de Miniatura

Data

2018-02-28

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Girotto, C.H. Avaliação da máscara laríngea como alternativa a sonda endotraqueal para manutenção da anestesia inalatória sob ventilação espontânea em capivaras (Hydrochoerus hydrochaeris). 47 p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2018. A intubação orotraqueal roedores é um procedimento de maior dificuldade que em outras espécies. Este estudo comparou o uso máscara laríngea humana (ML) com a sonda endotraqueal (Sonda-ET) para manter a patência da via aérea em capivaras anestesiadas sob ventilação espontânea. Seis capivaras (24-54 kg) foram contidas quimicamente com cetamina (7,2 ± 1,1 mg/kg), midazolam (0,16 ± 0,04 mg/kg) e acepromazina (0,03 ± 0,01 mg/kg) em duas ocasiões (intervalos ≥ 7 dias entre procedimentos). A anestesia foi mantida com isoflurano diluído em oxigênio durante 90-120 minutos sob ventilação espontânea. Durante cada anestesia, a patência da via aérea foi mantida aleatoriamente com a Sonda-ET ou ML. Tomografia computadorizada (TC) da faringe/laringe foi realizada em 3/6 animais com a ML e 2/6 animais com a Sonda-ET. A ANOVA de duas vias para medidas repetidas, teste t pareado ou de Wilcoxon foram utilizados para análise estatística (P < 0,05). A concentração de isoflurano expirado (ETiso), freqüência cardíaca (FC), pressão arterial média invasiva (PAM), pH arterial, pressão parcial de dióxido de carbono arterial (PaCO2) e pressão parcial de oxigênio arterial (PaO2) não diferiram entre os tratamentos. Os valores médios (limite inferior-superior) de ETiso foram 0,6 (0,5-1,5)% e 0,6 (0,4-0,9)% com a Sonda-ET e ML, respectivamente. Os valores médios (± desvio padrão) obtidos nos dois tratamentos foram 67 ± 11 batimentos/min (Sonda-ET) e 67 ± 18 batimentos/min (ML) para FC; 74 ± 13 mmHg (Sonda-ET) e 74 ± 14 mmHg (ML) para PAM; 41 ± 2 mmHg (Sonda-ET) e 43 ± 4 mmHg (ML) para PaCO2; 360 ± 59 mmHg (Sonda-ET) e 360 ± 63 mmHg (ML) para PaO2. Com base nas imagens da TC, a ML foi ajustada adequadamente à laringe em 2/3 animais. Em 1/3 de animais, a ML foi acidentalmente deslocada, possivelmente durante a TC. A presença de gás no esôfago foi notada apenas com a ML. A recuperação da anestesia ocorreu sem intercorrências. Conclui-se que a ML é uma alternativa viável para a Sonda-ET para manutenção da patência da via aérea em capivaras anestesiadas sob respiração espontânea, resultando em efeitos cardiopulmonares e características de recuperação semelhantes quando comparada à intubação endotraqueal.
Abstract Girotto, C.H. Evaluation of a laryngeal mask as an alternative to orotracheal intubation for maintenance of inhalant anesthesia under spontaneous ventilation in capybaras (Hydrochoerus hydrochaeris). 47 p. Dissertation (MSc) – School of Medicine, São Paulo State University, Botucatu, 2018. Orotracheal intubation carries greater difficulty in rodents than in most domestic species. This study compared the human laryngeal mask (LMA) with an endotracheal tube (ETtube) for maintaining airway patency in anesthetized capybaras (Hydrochoerus hydrochaeris). Six capybaras (24–54 kg) were remote darted with ketamine (7.2 ± 1.1 mg/kg), midazolam (0.16 ± 0.04 mg/kg) and acepromazine (0.03 ± 0.01 mg/kg) in two occasions (≥ seven-day intervals). Anesthesia was maintained with isoflurane in oxygen for 90–120 min under spontaneous ventilation. During each anesthetic, the airway was randomly maintained with an ETtube or LMA. Computed tomography of the pharynx/larynx was performed in 3/6 animals and 2/6 animals with the LMA and ETtube, respectively. Data was analyzed with a two-way ANOVA for repeated measures, paired t-test or Wilcoxon´s signed-rank test. End-tidal isoflurane (ETiso), heart rate (HR), invasive mean arterial pressure (MAP), arterial pH, arterial carbon dioxide partial pressure (PaCO2), and arterial oxygen partial pressure (PaO2) did not differ between treatments. Median (lower–upper range) of ETiso values were 0.6 (0.5–1.5)% and 0.6 (0.4-0.9)% with the ETtube and LMA, respectively. Overall mean (± SD) values were 67 ± 11 beats/min (ETtube) and 67 ± 18 beats/min (LMA) for HR; 74 ± 13 mmHg (ETtube) and 74 ± 14 mmHg (LMA) for MAP; 41 ± 2 mmHg (ETtube) and 43 ± 4 mmHg (LMA) for PaCO2; 360 ± 59 mmHg (ETtube) and 360 ± 63 mmHg (LMA) for PaO2. Computed tomography showed gas in the esophagus only with the LMA (3/3 animals); while fitting to the larynx was adequate in 2/3 animals and fair (1/3 animals). Recovery from anesthesia was uneventful. The LMA is a feasible alternative to the ETtube for maintaining airway patency during inhalant anesthesia in spontaneously breathing capybaras, resulting in similar cardiorespiratory effects and recovery characteristics when compared to endotracheal intubation.

Descrição

Palavras-chave

manejo da via aérea, dispositivo supraglótico de via aérea, intubação orotraqueal, manegement airway, supraglottic airway device, endotracheal intubation

Como citar