Tabagismo e dependência nicotínica na comunidade de Marília durante uma campanha antitabagismo

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2013

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Introdução: A incidência de tabagistas no Brasil varia de 9,5% até 21,2%, sendo mais frequente em homens. As campanhas anti-tabagismo são responsáveis pela diminuição do tabagismo na população em geral. Dessa forma, este estudo teve como objetivo estabelecer a ocorrência de tabagismo, os fatores de risco associados ao tabagismo e a dependência nicotínica na população da cidade de Marilia. Materiais e métodos: O estudo foi realizado no terminal urbano municipal da Cidade de Marília, envolvendo frequentadores do local, de ambos os sexos, independente da idade. Os dados foram obtidos por entrevista, realizada durante a II Campanha de Combate ao Tabagismo, no dia 31 de maio 2012. A campanha consistiu na exposição de 11 Banners informativos com temas relacionados ao tabagismo. A entrevista foi realizada com o auxílio de uma ficha de avaliação que constou de dados demográficos: sexo, idade, estado civil, atividade ocupacional, quando presente, estado tabágico (fumante/ex-fumante/não fumante), tempo de tabagismo, carga-tabágica (anos/maço), início do tabagismo, história de tabagismo na família, em amigos ou companheiros, contato com fumantes em casa ou no trabalho, quando e quem ofereceu o primeiro cigarro. Foi avaliado o grau de motivação em parar de fumar e o grau de dependência nicotínica. Análise estatística: Os dados são apresentados por meio de estatística descritiva, usando os valores relativos, percentuais, média e desvio padrão. Resultados: Foram avaliadas 945 pessoas, sendo 470 homens, com idade média de 46,29±19,22 anos. Eram tabagistas atuais 221 pessoas (23,37%) que iniciaram o hábito, em média, com 15,46±5,01 anos e apresentaram carga-tabágica atual de 26,29±32,95 anos. Dos voluntários estudados 565 (59,79%), já haviam experimentado cigarro e, destes, 267 (47%) relataram que o cigarro foi oferecido por amigos. A maioria dos tabagistas relatou história de tabagismo na família e entre amigos, 161 (72,85%) e 204 (92,31%), respectivamente. Dos fumantes, 32 (14,48%) relataram que não pretendem parar de fumar, 179 (80,99%) relataram que tem intenção e apenas 1 (0,45%) sujeito tinha parado recentemente, 9 sujeitos não responderam a questão. E finalmente, quanto ao grau de dependência nicotínica, 34 (15,38%) sujeitos tinham muito baixo grau de dependência e 36 (16,29%) baixo grau. Além desses, 36 (16,29%), 79 (35,75%) e 28 (12,67%) tinham médio, elevado e muito elevado grau de dependência, respectivamente (oito não responderam o questionário). Conclusão:A ocorrência de tabagismo foi de 23,37% e o como fator associado esta os hábitos na família, a maioria apresentou elevado grau de dependência nicotínica.

Descrição

Palavras-chave

Tabagismo, Campanha

Como citar

CONGRESSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, 7., 2013, Águas de Lindólia. Anais... São Paulo: PROEX; UNESP, 2013, p. 09938