Esplenomegalia em cães: estudo retrospectivo

Nenhuma Miniatura disponível

Data

2011

Orientador

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Tipo

Artigo

Direito de acesso

Acesso restrito

Resumo

Resumo (inglês)

The aim of this study was to review the prevalence of canine splenic disorders by means of a retrospectiveanalysis of histological diagnosis after splenectomy. The results were confronted with laboratory findings, clinical signs and presence of cardiac arrhythmia and hemoperitoneum, in an attempt to establish the differentialdiagnosis of splenomegaly. One hundred and nine dogs assisted at the Veterinary Hospital of theSchool of Veterinary Medicine and Zootechny, University of São Paulo, were included in the retrospectivestudy, between 2002 and 2009. The average age was 10 years old ± 3, with no sexual predilection. Mixedbreed dogs was the most affected kind, and average weight was 22 kg ± 13. Overall, 52% (57/109) of dogswere splenectomized due to non-neoplastic diseases and 48% (52/109) to neoplastic diseases. Among thelatter, the most common diagnosis was hemangiosarcoma (28 dogs; 54%). Most frequent clinical signs includedanorexia, lethargy and vomiting. Results showed that dogs with low red blood cell count, low hematocritvalues and/or hemoperitoneum were more likely to have splenic malignant neoplasm. On the otherhand, sex, breed, size, age, cardiac arrhythmia and other laboratory parameters were not determining factorsin the differentiation of splenomegaly.

Resumo (português)

O objetivo do presente estudo foi rever a prevalência das afecções esplênicas por meio da análise retrospectivado diagnóstico histopatológico de cães submetidos à esplenectomia. Os resultados foram confrontados com os exames laboratoriais, as manifestações clínicas, a presença de arritmias cardíacas e de hemoperitôneo,na tentativa de estabelecer o diagnóstico diferencial da esplenomegalia. Participaram do estudo retrospectivo 109 cães atendidos no Serviço de Cirurgia de Pequenos Animais do Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, entre os anos de 2002 e 2009.A média de idade foi de 10 anos (± 3), não sendo observada predileção sexual. Cães sem raça definida foram os mais acometidos, com peso médio de 22 kg (± 13). Cinquenta e dois por cento (57/109) dos animais foram esplenectomizados em virtude de afecções não neoplásicas, enquanto 48% (52/109) passaram pelo procedimento em razão de neoplasias esplênicas. Dentre estes, o diagnóstico mais frequente foi o hemangiossarcoma,acometendo 28 (54%) animais. Os sintomas mais frequentes foram disorexia, apatia e êmese.Os resultados demonstraram que cães com níveis de hematócrito e hemácia abaixo do normal e/ou com hemoperitôneo tiveram maior probabilidade de apresentar neoplasia esplênica maligna, enquanto que sexo,raça, porte, idade, arritmia cardíaca e parâmetros laboratoriais não foram fatores determinantes na diferenciação da esplenomegalia.

Descrição

Idioma

Português

Como citar

Revista Acadêmica: Ciências Agrárias e Ambientais, v. 9, n. 3, p. 271-278, 2011.

Itens relacionados

Financiadores