Produção e utilização de silagens de peixe na nutrição do pacu (Piaractus mesopotamicus)

Imagem de Miniatura

Data

2001-03-16

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Three types of raw materials (commercial waste from salt water (SW) and freshwater fish (FW); and tilapia filleting residue) were used to produce fish silage by acid digestion (2% formic acid and 2% sulfuric acid), and anaerobic fermentation, (5% of Lactobacillus plantarum and 15% sugar cane molasses). Six test diets were prepared for digestibility trials as follows: 70% reference diet and 30% silage. These diets were fed to juvenile pacu (146 g average weight) in triplicate. Fish were kept in 500-l tanks and feces collected by manual extrusion. It was observed for both processes that saltwater fish waste always presented the highest moisture content and lowest fat and ash. Highest crude protein levels were displayed in silages from commercial fish waste (SW and FW), made from whole fish unfit for human consumption. However, apparent digestibility coefficients did not vary among diets (P>0.05). Although values did not differ statistically, fermented silage consistently displayed higher digestibility coefficients compared to acid silage. The silages exhibited good protein digestibility (72,5 - 80,0%), thus suggesting the feasibility of using fish industry by-products in aquaculture feeds
Este trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar a composição em aminoácidos de vários tipos de silagens produzidas a partir de três matérias-primas, oriundas do descarte da comercialização de peixes marinhos, de água doce; e resíduos da filetagem de tilápias. As silagens foram produzidas por dois processos: por digestão ácida (com 2% de ácido fórmico e 2% de ácido sulfúrico) e por fermentação anaeróbica (com 5% de Lactobacillus plantarum e 15% de melaço de cana). Após um período de estocagem, de 30 a 45 dias, as silagens foram secas conjuntamente com dois subprodutos agrícolas, farelo de soja (protéico) ou quirera de arroz (energético), originando, dessa forma, 12 produtos secos. Foram realizadas análises do teor protéico e do perfil de aminoácidos das matérias primas, das silagens e das silagens co-secas. Observou-se que os descartes da comercialização de peixes marinhos apresentaram maiores teores de proteína bruta (77,67%) que os de água doce (49,62%) e os resíduos da filetagem de tilápia (42,99%). Quanto aos aminoácidos essenciais, em relação ao padrão da FAO, observou-se que todos os produtos de silagens e silagens co-secas apresentaram deficiência em, no máximo três aminoácidos para cada produto. No entanto, considerando-se como aminoácidos limitantes apenas os que estiverem 30% abaixo das exigências mínimas dos peixes em geral, esses produtos não foram deficientes em aminoácidos essenciais, mostrando que todos foram potencialmente viáveis para a utilização em dietas balanceadas para peixes

Descrição

Palavras-chave

Peixe - Nutrição, Pacu (Peixe), Silagem, Proteínas, Aminoacidos, Amino acids

Como citar

VIDOTTI, Rose Meire. Produção e utilização de silagens de peixe na nutrição do pacu (Piaractus mesopotamicus). 2001. iv, 57 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Centro de Aquicultura, 2001.