De pobres da terra ao movimento sem terra: práticas e representações camponesas no Pontal do Paranapanema - SP

Imagem de Miniatura

Data

2004-03-04

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Esta tese analisa a terra nas práticas e representações camponesas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Pontal do Paranapanema, SP, vividas na década de 1990 e início do século XXI. Devido à diversidade de ações, delimito as primeiras experiências do Movimento: a ocupação, em 1990, da fazenda Nova Pontal, em Rosana, e as ações nas fazendas São Bento e Santa Clara, em Mirante do Paranapanema, iniciadas em 1991, derivando nos assentamentos São Bento e Che Guevara/Santa Clara. Tendo como eixo a terra, âncora a explicitar as lutas, seja para conquistá-la, seja para nela permanecer, busco, na história e na memória dos camponeses, o substrato para a composição do trabalho. As fontes orais tornaram-se fundamentais para esta empreitada, sendo conjugadas as fontes do MST, dentre outras, como jornais regionais e de circulação nacional. Para esta reflexão, fez-se necessário, de início, percorrer os caminhos do fazer-se da história no tempo presente, com o olhar para as lutas de outrora, visando apreender como os camponeses foram discutidos em parte da historiografia. Os campos do Vale do Paranapanema e do extremo-oeste trouxeram (e trazem) consigo um histórico de lutas envolvendo os indígenas, pequenos arrendatários, sitiantes, posseiros, bóias-frias ao se depararem com o domínio da terra e da gente, exercidos pela grilagem e concentração da propriedade. Porém, a esse cenário os sujeitos reagiram, quer no confronto direto, na constituição de glebas...
This thesis analyses the meaning of in the practices and representations of peasants from the Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terrra- MST- (Landless Peasants Movement) in the Pontal do Paranapanema, SP, in the nineties and the very beginning of XXI century. Due to the great variety of their actions, I outline the first experiences of the Movement: the occupation, in 1990, of the farm Nova Pontal, in Rosana city ant the actions in the farms São Bento and Santa Clara, in 1991 and resulted in the land-reform settlements of São Bento and Che Guevara/ Santa Clara. Having as an axle the land, as an anchor to explain the struggles, either to conquer the land, either to stay on it, I search in the history and memory of the peasants, the basis for this research. The oral sources were very important in this effort but together witch the written sources of MST, amongst others as regional and national newspapers. For this reflection, it was necessary, at first, to follow the paths of the making of history in the present time, but looking backwards in search of how the peasants were seen by part of the historiography. The fields of the Vale do Paranapanema and of the far- West of São Paulo state, have a history of struggles were the subjects were the Native Brazilians, small leaseholders, ranchers, rural workers that historically faced the rule of the land and people by a small group of landowners that concentrated the land property, But to this historical background the peasants reacted either by the direct confrontation, ...(Complete abstract, click electronic access below)

Descrição

Palavras-chave

Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, Trabalhadores rurais, Reforma agraria, Camponeses, Paranapanema, Pontal do (SP), Peasants, Social practices, Representations

Como citar

BORGES, Maria Celma. De pobres da terra ao movimento sem terra: práticas e representações camponesas no Pontal do Paranapanema - SP. 2004. 391 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, 2004.