Qualidade de vida e satisfação das gestantes portadoras de diabete em uso de insulina em hospital universitário do interior de São Paulo

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2015-02-27

Autores

Cassettari, Bianca Fioravanti Nicolosi [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

The arm of this study is asssessing quality of life in diabetic pregnant women taking insulin, which conducted the hospital prenatal care or outpatient service specializing in diabetes and pregnancy. It is a single cohort competitor followed by 09 months, developed the Specialized Service of Diabetes and Pregnancy, Faculty of Medicine of Botucatu. The data collection was conducted from January 2011 to March 2013 through a questionnaire for assessing quality of life to all pregnant women with diabetes prior to pregnancy (Type 1, 2) or DMG, taking insulin, which underwent ambulatory or hospital monitoring. According World Health Organization Quality of Life in brazilian version- WHOQOL - BREF, most of the pregnant patient and hospital groups considered the quality of life as good in early pregnancy (Time 1) and at the end of pregnancy (Time 2), and further assessment of quality of life in the hospital group. Regarding health status, most mothers in the outpatient group was met at the beginning of pregnancy (Time 1) and at the end of pregnancy (Time 2). In the hospital group, only 36.3% (First moment) and 33.3% (Second moment) were satisfied. Considering the local service, the evolution of the domain scores (physical, psychological, social and environmental), at times 1 and 2, no significant differences between them. Can conclude that in this study, applying the WHOQOL-BREF, throughout gestation, showed that diabetic patients had a good quality of life independent of the type of monitoring
O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade de vida em gestantes diabéticas, em uso de insulina, que realizaram o acompanhamento pré-natal hospitalar ou ambulatorial no serviço especializado de diabete e gravidez. Trata-se de um estudo coorte única concorrente, desenvolvido no Centro de Investigação do Diabete Perinatal do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu. A coleta de dados foi realizada no período de janeiro de 2011 a março de 2013, mediante aplicação de um questionário de avaliação de qualidade de vida a todas gestantes portadoras de diabete melito prévio à gestação (Tipo 1e 2) ou diabete melito gestacional, em uso de insulina, que foram submetidas a acompanhamento ambulatorial ou hospitalar. De acordo com World Health Organization Quality Of Life, adaptado para o português-WHOQOL-BREF, a maioria das gestantes dos grupos ambulatorial e hospitalar considerou a qualidade de vida como boa no início da gestação (Momento 1) e no final da gestação (Momento 2), sendo ainda maior a avaliação de qualidade de vida no grupo hospitalar. Em relação à condição de saúde, a maioria das gestantes do grupo ambulatorial estava satisfeita no início da gestação (Momento 1) e no final da gestação (Momento 2). Já no grupo hospitalar, apenas 36,3% (momento 1) e 33,3% (momento 2) estavam satisfeitas. Considerando os locais de atendimento, a evolução dos escores dos domínios (físico, psicológico, social e meio ambiente), nos momentos 1 e 2, não apresentaram diferenças significativas entre si. Pode-se concluir que, neste estudo, aplicação do WHOQOL-BREF, ao longo da gestação, evidenciou que as gestantes diabéticas apresentaram boa qualidade de vida, independente do tipo de acompanhamento

Descrição

Palavras-chave

Diabetes na gravidez, Gravidez - Complicações, Cuidados medicos ambulatoriais, Qualidade de vida, Satisfação do paciente, Indicadores de saude, Diabetes in pregnancy

Como citar

CASSETTARI, Bianca Fioravanti Nicolosi. Qualidade de vida e satisfação das gestantes portadoras de diabete em uso de insulina em hospital universitário do interior de São Paulo. 2015. 55 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Medicina de Botucatu, 2015.