Gênero e sociologia no ensino médio: entre ensinar e aprender

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2019-06-27

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A presente pesquisa tem como objetivo apresentar a pertinência do ensino de temáticas de gênero na disciplina de Sociologia para jovens do Ensino Médio. O problema central é compreender como as relações de gênero constituem uma questão educacional e as relações escolares em uma escola pública no interior do Estado de São Paulo. As bases teóricas da pesquisa obtêm seus fundamentos nos estudos sobre gênero na perspectiva do feminismo pós-estruturalistas de Louro (2008;2015), Butler (2003) e Scott (1995). Através dos métodos de observação participante e pesquisa-ação buscamos compreender a relação de ensino e aprendizagem dos/as jovens estudantes do Ensino Médio sobre as temáticas de gênero abordadas nos Cadernos de Sociologia, distribuídos pelo projeto São Paulo Faz Escola da SEE/SP. Entre os resultados que pudemos analisar na pesquisa, percebemos que as temáticas de gênero promovem uma naturalização de identidades de gênero centrada nos papéis masculino e feminino a partir do sexo biológico, não problematizando outras possibilidades de identidades de gênero, resultantes das experiências culturais que fogem à coerência sexo e gênero. Outros conceitos, como violência de gênero e movimentos sociais de mulheres são abordados, problematizando o lugar periférico das mulheres na sociedade brasileira, mas não compreendem que a violência de gênero pode ser construída também na perspectiva do masculino e exploram superficialmente a existência do movimento LGBT como movimento político importante. Na escola pesquisada, tais temáticas ficavam restritas à disciplina de Sociologia, não havendo por parte dos demais membros da equipe escolar um trabalho pedagógico claro de enfrentamento à reprodução dos discursos e práticas sexistas. Em nossa atual conjuntura política, esta pesquisa encontra relevância, pois a natureza conservadora defendida pela presidência eleita (2019-2022), que propala como política educacional a ‘Escola sem Partido’, coloca-se veementemente no combate à existência de uma ‘ideologia de gênero’. Os resultados desta pesquisa mostraram que há um hiato entre os conteúdos ensinados e as práticas cotidianas dos jovens no ambiente escolar, de modo que esta lacuna só se torna menor à medida que os jovens se apropriam dos espaços e reconfiguram com suas estratégias e agências os sentidos do que é ensinado e aprendido.
This research aims to present the relevance of teaching gender issues in the sociology discipline for high school youth. The central problem is to understand how gender relations constitute an educational and school relations issue in a public school in the interior of the State of São Paulo. The theoretical foundations of the research derive their foundations from gender studies from the perspective of poststructuralist feminism by Louro (2008; 2015), Butler (2003) and Scott (1995). Through participant observation and action research methods, we seek to understand the teaching and learning relationship of young high school students on gender issues addressed in the Cadernos de Sociologia, distributed by the São Paulo do Escola project of SEE/SP. Among the results we were able to analyze in the research, we noticed that gender themes promote a naturalization of gender identities centered on male and female roles from biological sex, not problematizing other possibilities of gender identities, resulting from cultural experiences that escape gender and gender coherence. Other concepts such as gender violence and women's social movements are approached problematizing the peripheral place of women in Brazilian society, but do not understand that gender violence can also be built from the male perspective and superficially explores the existence of the LGBT movement as a political movement. important. In the researched school, such themes were restricted to the discipline of Sociology and there was no clear pedagogical work by the other members of the school team to cope with the reproduction of sexist discourses and practices. In our current political conjuncture, this research is relevant because the conservative nature defended by the elected Presidency (2019-2022), which promotes the ‘Escola sem Partido’ as its educational policy, is strongly opposed to the existence of a ‘gender ideology’. The results of this research showed that there is a gap between the contents taught and the daily practices of young people in the school environment, so that this gap only becomes smaller as the young people appropriate the spaces and reconfigure their senses with their strategies and agencies. of what is taught and learned.

Descrição

Palavras-chave

Educação e sociologia, Identidade de gênero na educação, Ensino médio, Education and sociology, Gender identity in education, High school

Como citar