Efeitos analgésicos pós-operatórios de cetamina e/ou morfina em cadelas submetidas à OSH eletiva

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2012-02-22

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Avaliaram-se os efeitos analgésicos de morfina e/ou cetamina em 24 cadelas hígidas com peso de 11,01± 8,69 kg e idade de 27±17 meses, submetidas à ovariosalpingohisterectomia (OSH) eletiva. Os animais foram tratados imediatamente após a indução anestésica com: morfina (GM, n=8, 0,5 mg/kg IM), cetamina (GC, n=8, 2,5 mg/kg IM) ou morfina associada à cetamina nas mesmas doses anteriores. Avaliou-se o escore de sedação e a dor de forma encoberta (cega) por meio de escala analógica visual (EAV) e Escala de Glasgow Modificada (EGM), às duas horas antes do procedimento cirúrgico e 1, 2, 4, 8,12 e 24 horas após a extubação. Os resgates analgésicos foram realizados com morfina 1 mg/kg e caso não suficiente, no momento seguinte, com meloxicam 0,2 mg/kg, ambos IM, quando a pontuação da EGM atingisse 33% do valor total. Para as variáveis nãoparamétricas utilizou-se o teste de Friedman seguido de Dunn, para avaliar as diferenças de cada grupo ao longo do tempo, o teste de Kruskal-Wallis seguido de Dunn para avaliar as diferenças entre os grupos em cada momento e o número de resgates analgésicos. Para as variáveis paramétricas, utilizou-se o ANOVA seguido do teste de Tukey, todos com 5% de significância. Exceto para EGM onde os valores em GM foram superiores à GCM à 1h, não houve outras diferenças entre os grupos. O número de resgates analgésicos foi superior em GM, já que todos animais necessitaram resgate em 11 ocasiões. Apenas um animal do GC e dois do GCM necessitaram de dois e três resgates respectivamente. A analgesia oferecida pela administração pré-incisional de cetamina foi mais efetiva do que a oferecida pela morfina e este fármaco pode ser utilizado para analgesia preemptiva em cadelas submetidas à OSH
The aim of this study was to evaluate the analgesic effects of morphine and/or ketamine in 24 healthy bitches, weighing 11.01± 8.69 kg and aging 27±17 months, submitted to elective ovariohysterectomy. The animals were submitted one of the three treatments after the anaesthetic induction: morphine (GM, n=8, 0,5 mg/kg IM), ketamine (GC, n=8, 2.5 mg/kg IM) or ketamine combined to morphine using the same doses described previously. Sedation score and pain assessment was performed blindly before surgery and at 1, 2, 4, 8,12 and 24 hours after extubation, using the visual analogue scale and Glasgow modified pain scale (GMPS). Rescue analgesia was performed with morphine 1 mg/kg and of not sufficient followed by meloxicam 0.2 mg/kg, both IM, when the GMPS reached 33% of the total score. Parametric data were analysed using Friedman´s test followed by Dunn´s test for differences in time. Kruskal-Wallis´ followed by Dunn´s test were performed to investigate differences in number of analgesic rescues and between groups at each time. Paramentric data were evaluated by ANOVA followed by Tukeys´s test, with 5% of statistical significance. Except for GMPS, where the values of GM were greater than for GCM at 1h post-operatively, there wrere no other differences between groups. The number of rescue analgesia was greater in GM, as all animals needed rescue analgesia in 11 occasions, while only one dog from GC and two from GCM needed two and three analgesic rescues respectively. Analgesia provided by pre-incisional ketamine was more effective when compared to morphine. According to that ketamine alone may be used as a preemptive analgesic in bitches undergoing ovariohysterectomy

Descrição

Palavras-chave

Analgesicos - Efeito fisiológico, Dor, Analgesia, Analgesics, Pain

Como citar

ALMEIDA, Maria Raquel de. Efeitos analgésicos pós-operatórios de cetamina e/ou morfina em cadelas submetidas à OSH eletiva. 2012. 58 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Medicina de Botucatu, 2012.