Entre relações de gênero e a socioeducação: reflexões sobre projeto de vida com adolescentes e jovens

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-11-07

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Esta pesquisa buscou investigar se e como distingue-se a construção do projeto de vida de meninas e meninos em cumprimento de medidas socioeducativas no Centro de Referência Especializado em Assistência Social (CREAS) em uma cidade do interior paulista. O estudo teve como universo de estudo: três grupos de adolescentes em conflito com a lei que frequentam escolas públicas e que são acompanhados pelo CREAS. Foram realizados grupos de discussões, com intervalos quinzenais, em que foram utilizadas técnicas do Teatro do Oprimido (TO), como instrumento para abordagem do projeto de vida, empregando-se os processos sobre a palavra, imagem, som e metáforas. Também, foram realizadas entrevistas individuais semi-estruturadas com nove adolescentes meninos e uma adolescente menina, que frequentam o CREAS. As informações obtidas foram estruturadas no Diário de Campo e examinadas por meio da técnica de Análise de Conteúdo de Laurence Bardin. Nesse sentido, constatou-se quais questões formam e compõem o(s) Plano(s) de Vida(s) das/dos participantes e quais intervenções estão presentes em suas projeções de experiências e trajetórias. Portanto, verificou-se que as/os jovens possuem Identidades estigmatizadas, em que os seus direitos são e estão violados em todos os espaços, em que os estigmas estão atrelados às suas trajetórias de vida, influenciando na construção de suas projeções de vida. Desta forma, observou que meninos e meninas apresentam componentes semelhantes e diferentes nas suas projeções de futuro, no que refere-se às meninas, é possível observar que as relações de gênero forjam quais caminhos as jovens devem seguir, como a maternidade e o matrimônio, uma vez que estas/estes jovens reproduzem em seus discursos as expectativas da sociedade patriarcal e de suas famílias.
This research sought to investigate whether and how it distinguishes the construction of the life project of girls and boys in fulfillment of socio-educational measures in the Reference Center Specialized in Social Assistance (CREAS) in a city in the interior of São Paulo. The study had as its universe of study: three groups of adolescents in conflict with the law who attend public schools and are accompanied by CREAS. Discussion groups were held, with biweekly intervals, in which techniques of the Theater of the Oppressed (TO) were used as an instrument to approach the project of life, using the processes on the word, image, sound and metaphors.Also, individual semi-structured interviews were conducted with nine adolescent boys and one adolescent girl, who attend CREAS. The information obtained was structured in the Field Diary and examined through the Laurence Bardin Content Analysis technique. In this sense, it was verified which questions form and compose the Life Plans of the participants and which interventions are present in their projections of experiences and trajectories. Therefore, it was found that the/the young have stigmatized identities, in which their rights are and are violated in all spaces, in which stigmas are tied to their life trajectories, influencing the construction of their life projections. In this way, he observed that boys and girls have similar and different components in their future projections, with regard to girls, it is possible to observe that gender relations persuade what paths young women should follow, such as motherhood and marriage, since these young people reproduce in their discourses the expectations of society and their families.

Descrição

Palavras-chave

Socioeducação, Projeto de vida, Relações de gênero, Life project, Socioeducation, Gender relations

Como citar