Análise da dinâmica de formação do caráter e a produção da queixa escolar na educação infantil: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2017-09-01

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O presente estudo, fundamentado na pedagogia histórico-crítica e na psicologia histórico-cultural, tem como objeto a análise das relações entre a prática de ensino na educação infantil e a dinâmica a partir da qual se dá a gênese do desenvolvimento do caráter da “criança difícil”, tal como proposto por Vigotski (1997). Diante disso, traçamos o objetivo geral de analisar os mecanismos interpessoais e interpsíquicos presentes na dinâmica de formação das características recorrentes na conduta do aluno, apontadas como inadequadas do ponto de vista do professor, e suas relações com a organização do ensino na educação infantil. Nossas hipóteses iniciais previam a expressão da controvérsia filosófica entre essência e existência na forma como a equipe escolar explica a causa do comportamento das crianças, pois algumas das ações do aluno que o professor considera inadequadas são manifestações características do período do desenvolvimento infantil no qual esse aluno se encontra e a organização do ensino pode gerar condutas do professor que contribuem para acirrar aspectos das crises típicas dos períodos de transição, influenciando a dinâmica de constituição do caráter desse aluno. Pautando-nos no método materialista histórico-dialético, adotamos o estudo de caso como procedimento metodológico e obtivemos os dados por meio da participação na rotina da escola em situações pontuais durante cinco meses, aplicação de questionário aos professores para a definição do caso e pela realização de observação direta em sala de aula com registros videográficos durante 10 dias. Para análise, tomando como unidade mínima a intencionalidade dos atos humanos, abordamos a dimensão filosófica do problema investigado relacionando os dados referentes às concepções expressas por professores, gestores e familiares nas situações observadas com os aspectos filosóficos do processo de instituição da intencionalidade que sustenta a relação entre educação escolar e sociedade. Para análise dos registros filmográficos selecionamos situações em que nosso sujeito de pesquisa encontrava-se envolvido em um conflito com qualquer adulto e delimitamo-las como “episódio de interação conflitiva”. Marcamos o início do episódio a partir dos fatos que desencadearam o conflito, identificando quais atos levaram ao seu princípio e quais atos foram manifestos como reação aos primeiros. Identificamos 23 episódios de interação conflitiva, os quais foram analisados por meio da identificação da unidade dialética conteúdo-forma, presentes na intencionalidade dos atos manifestos na situação conflitiva. Os dados mostram indícios da controvérsia filosófica entre essência e existência no discurso dos familiares e equipe escolar, como interiorização da controvérsia na consciência individual. As observações das condições de ensino explicitam que há na rotina da escola alguns fatores intervenientes em relação à ocorrência de interações conflitivas, tais como a necessidade de que as professoras realizem atividades não condizentes com o acompanhamento pedagógico das crianças em momentos destinados para esse fim, escassez de promoção da atividade-guia da faixa etária, entre outras. No que concerne ao aluno, os dados revelam manifestações que podem ser associadas aos sintomas da crise dos três anos, com conteúdo predominantemente negativista. A análise dos episódios de interação conflitiva revela um predomínio de atos destinados a desencadear reações dos adultos, sob a forma de comportamentos inadequados para o contexto por parte do aluno. Quanto aos adultos, notamos a prevalência de atos direcionados a conter verbalmente o aluno, sob forma de expressões imperativas e autoritárias, o que, de acordo com a literatura, não condiz a práticas adequadas de interação com a criança na referida situação social de desenvolvimento. Tais fatos corroboram nossas hipóteses iniciais de que a intervenção dos professores tem sido realizada de um modo que leva ao acirramento tanto das características associadas à crise dos 3 anos quanto das formas de conduta que definem a “criança difícil”. Concluímos que a conduta do professor é um fator interveniente na dinâmica de formação das regularidades do comportamento infantil e afirmamos que os pressupostos da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica fornecem subsídios para uma reorganização da prática pedagógica que conduza à superação de manifestações de condutas regulares de professores e de alunos que se caracterizam como empecilhos ao pleno desenvolvimento.
The present study, based on historical-critical pedagogy and historical-cultural psychology, has as its object the analysis of the relationship between the practice of teaching in early childhood education and the dynamics that provoke the genesis of the development of the character of the "difficult child", as proposed by Vigotski (1997). In view of this, we have outlined the general objective of analyzing the interpersonal and interpsychic mechanisms present in the development dynamics of the recurrent characteristics in the student 's conduct, pointed out as inadequate by the perspective of the teacher, and their relations with the organization of teaching in early childhood education. Our initial hypotheses predicted the expression of the philosophical controversy between essence and existence in the way the school staff explains the cause of the children's behavior, since some of the student's actions that the teacher considers inappropriate are characteristic manifestations of the child's developmental period and the organization of the teaching can generate conducts in the teacher that contribute to intensify aspects of the typical crises of the transition periods, influencing the dynamics of constitution of the character of this student. Based on the historical-dialectical materialist method, we adopted the case study as a methodological procedure and obtained the data through the participation in the routine of the school in specific situations during five months, applying a questionnaire to the teachers for the definition of the case and observing directly the classroom, with video recordings for 10 days. For analysis, taking as a minimal unit the intentionality of human acts, we approach the philosophical dimension of the investigated problem, relating the data referring to the conceptions expressed by teachers, managers and relatives in the situations observed with the philosophical aspects of the process of institutionalization of the intentionality that sustains the relation between school education and society. For analysis of the film recordings we select situations in which our subject of research was involved in a conflict with any adult and delimited such situations as "episode of conflictual interaction". We mark the beginning of the episode from the facts that triggered the conflict, identifying which acts led to its beginning and which acts were manifested as a reaction to the former. We identified 23 episodes of conflictual interaction, which were analyzed through of the identification of the content-form dialectical unit, present in the manifest acts in the conflict situation. The data show evidence of the philosophical controversy between essence and existence in the discourse of family and school team, as interiorization of the controversy in the individual consciousness. The observations of the teaching conditions show that there are in the routine of the school some intervening factors in relation to the occurrence of conflicting interactions, such as the need for the teachers to carry out activities that are not appropriate to the pedagogical accompaniment of the children in moments destined for this purpose, lack of promotion of guide-activity of the age group, among others. With regard to the student, the data reveal manifestations that can be associated with the symptoms of the crisis of the three years, with predominantly negativist content. The analysis of the conflicting interaction episodes reveals a predominance of acts destined to trigger reactions in the adults, in the form of decontextualized behaviors on the part of the student. As for adults, we noticed the prevalence of acts verbally directed to student control, in the form of imperative and authoritarian expressions, which, according to the literature, does not conform to adequate practices of interaction with the child in said social development situation. Such facts corroborate our initial hypotheses that the intervention of teachers has caused the intensification of the characteristics associated with the crisis of the three years and of the forms of conduct that define the "difficult child". We conclude that the conduct of the teacher is an intervening factor in the dynamics of the formation of regularities of child behavior and we affirm that the assumptions of historical-cultural psychology and historical-critical pedagogy provide subsidies for a reorganization of pedagogical practice that leads to the overcoming of regular conducts of teachers and students that are characterized as obstacles to full development.

Descrição

Palavras-chave

Dinâmica de formação do caráter, Educação Infantil, Psicologia histórico-cultural, Materialismo histórico-dialético, Dialética conteúdo-forma, Dynamics of character formation, Child education, Historical-cultural psychology, Historical-dialectical materialism, Content-form dialectic, Historical-critical pedagogy

Como citar