Avaliações externas: olhares de professores que ensinam matemática

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-12-21

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Desde meados do século passado é possível perceber que práticas do setor empresarial estão cada vez mais presentes nos sistemas de Educação pública. Com isso, vemos um fomento à competitividade, à concorrência e à comparação entre escolas e professores, dado que tais práticas acarretariam uma melhora da qualidade educacional. Nesse cenário, as Avaliações Externas são elaboradas e implementadas como meio para obter dados a partir de provas padronizadas para toda uma região. Desse modo, esse tipo de Avaliação é aplicado aos estudantes de determinado nível escolar, porém são idealizadas por pessoas externas ao ambiente escolar, assim, avaliado e avaliador não estão no mesmo espaço do sistema de ensino. Nacionalmente, essas Avaliações se consolidaram com o surgimento do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB). A partir desse marco, os estados brasileiros iniciaram a criação de seus próprios testes padronizados. Em São Paulo, local de realização deste estudo, o início dessas provas se deu com a instauração do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP), em 1996, que, historicamente, têm Matemática e Língua Portuguesa como as componentes curriculares mais cobradas. Assim, com esta pesquisa, tivemos o objetivo de investigar quais as compreensões que professores que ensinam Matemática no 7º ou 9º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais, na cidade de Rio Claro–SP, possuem acerca das Avaliações Externas. Para isso, adotamos uma abordagem qualitativa de pesquisa, tendo como meio para a composição dos dados a realização de entrevistas semiestruturadas com dez professores que ensinavam Matemática na rede estadual de Rio Claro. Realizamos um processo de organização e refinamento das falas dos docentes, inspirado em quatro etapas de análise de dados: compilar, decompor, recompor e interpretar. Assim, compreendemos que o ponto de vista que eles apresentam se divide em três relações: entre Avaliações Externas e professores, estudantes e escola. Dessa forma, conseguimos compreender que essas Avaliações ferem a autonomia docente em seu planejamento, execução e avaliação e colocam nos ombros dos professores a responsabilidade total pelo processo formativo dos estudantes. Como isso se torna um fardo muito pesado, os docentes transferem parte da culpabilidade imposta a eles para os alunos. Ainda, os professores ressaltam que as Avaliações Externas são propostas por seus idealizadores de maneira que a escola não possui estrutura física e organizacional para suportar sua realização, especialmente no caso da aplicação totalmente digital. Além disso, compreendemos que os docentes reconhecem que as Avaliações são elaboradas para aferir o desempenho dos estudantes e, consequentemente, avaliar o seu trabalho. Por isso, ressaltam o quanto essas provas ignoram o contexto escolar, mesmo se propondo a avaliá-lo. Por fim, os professores conjecturam propostas de que as avaliações internas à escola façam parte dos cálculos dos indicadores provindos das Avaliações.
Since the mid-20th century, it has been possible to observe that practices from the business sector are increasingly present in public education systems. As a result, we see a promotion of competitiveness, competition, and comparison between schools and teachers, as these practices are expected to lead to an improvement in educational quality. In this scenario, External Assessments are developed and implemented as a means to obtain data from standardized tests for an entire region. Thus, this type of assessment is applied to students at a certain school level but is designed by individuals external to the school environment; therefore, the evaluator and the evaluated are not in the same space of the education system. Nationally, these assessments were consolidated with the emergence of the Basic Education Assessment System (SAEB), and since then, brazilian states have started creating their own standardized tests. In São Paulo, the location of this study, the beginning of these exams occurred with the establishment of the São Paulo State School Performance Assessment System (SARESP) in 1996, which historically emphasizes Mathematics and Portuguese as the most assessed curricular components. With this research, we aimed to investigate the understandings that teachers who teach Mathematics in the 7th or 9th year of Elementary School – Final Years, in the city of Rio Claro – SP, have about External Assessments. For this, we adopted a qualitative research approach, using semi-structured interviews with ten teachers who taught Mathematics in the state school system of Rio Claro. Then, we organized and narrowed down the teachers' statements, inspired by four stages of data analysis: compiling, decomposing, recomposing, and interpreting. Thus, we understand that the perspective they present is divided into three relationships: between External Assessments and teachers, students, and the school. In this way, we can understand that these assessments undermine teachers' autonomy in their planning, execution, and evaluation; they place on teachers the total responsibility for the students' formative process, and as this becomes a very heavy burden, teachers transfer part of the imposed blame to the students. Additionally, teachers emphasize that External Assessments are proposed by their creators in a way that the school does not have the physical and organizational structure to support their implementation, such as their fully digital application. Also, we understand that teachers recognize that the assessments are intended to assess students' performance and, consequently, their work. Therefore, they highlight how these tests ignore the school context, even though they claim to evaluate it. Finally, teachers suggest proposals that internal school assessments be part of the calculations of the indicators derived from the External Assessments.

Descrição

Palavras-chave

Professor de matemática, Avaliações em larga escala, Índice de desempenho, IDESP, Mathematics teacher, Large-scale assessments, Performance index

Como citar