Correlação de biomarcadores ultrassonográficos preditores de aterosclerose precoce em mulheres na pós-menopausa

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2018-08-01

Autores

Rosa, Felipe Damascena

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Introdução: Os eventos cardiovasculares são as principais causas de mortalidade no mundo, conforme dados da Organização Mundial de Saúde. Predisposição genética, bem como fatores de risco clínico como hipertensão arterial, tabagismo, idade, dislipidemias, diabetes melito e obesidade são as bases para o desenvolvimento de doença aterosclerótica. A detecção da aterosclerose em sua fase pré-clínica, por meio da avaliação da espessura do complexo médio-intimal (CMI) e da variação da distensibilidade arterial (DART) após teste de hiperemia reativa poderia contribuir para a redução da morbidade e mortalidade por causa cardiovascular. Objetivos:compreender as relações entre biomarcadores ecográficos precoces (CMI e DART) em mulheres pós- menopausa e os principais fatores de risco para doenças cardiovasculares: idade, hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabetes melito tipo 2 (DM-2), dislipidemias, índice de massa corpórea, tabagismo. Assim como avaliar a possível correlação entre os biomarcadores de aterosclerose precoce e disfunção endotelial mensurados pela ultrassonografia. Materiais e Métodos: clínico, analítico e transversal, com 217 mulheres atendidas, submetidas a questionário e exame físico padronizado, bem como avaliação ecográfica da espessura do CMI e DART. A análise estatística foi realizada por meio de regressão logística múltipla e quando necessário, o Teste de Tukey para análise de variância, por meio do software SAS 9.3. Foram considerados resultados com significância estatística p < 0,05. Resultados: regressão logística multivariada revelou que a ausência de hipertensão arterial sistêmica (OR 0,53 IC95%: 0,28-0,99 ),diabetes melito (OR 0,33 IC95%: 0,11-0,99), idade mais jovem (OR 0,30 IC95%: 0,26-0,99) apresentam-se como fatores protetores em relação a espessamento do CMI, bem como a ausência de dislipidemia seria fator protetor para alteração da DART (OR 0,45 IC95%: 0,24-0,84). Não se encontrou significância estatística entre DART e CMI. Conclusão: existe correlação entre os biomarcadores ultrassonográficos de aterosclerose precoce e os fatores de risco clínicos para aterosclerose; a relação entre espessura do complexo médio-intimal e marcadores de reatividade vascular (DART) não apresentou significância estatística.
Introduction: cardiovascular events are the main causes of mortality in the world, according to data from the World Health Organization. Genetic predisposition, as well as clinical risk factors such as hypertension, smoking, age, dyslipidemias, diabetes mellitus and obesity are the bases for development of atherosclerotic disease. The detection of atherosclerosis in its preclinical phase, through the evaluation of the thickness of the medial-intimal complex (MIC) and the variation in arterial distensibility (DART) after a reactive hyperemia test could contribute to the reduction of cardiovascular morbidity and mortality. Objectives: To understand the relationships between early ultrasound biomarkers (IMC and DART) in postmenopausal women and the main risk factors for cardiovascular diseases: age, systemic arterial hypertension (SAH), type 2 diabetes mellitus (DM-2), dyslipidemias, body mass index, smoking. As well as evaluating the possible correlation between the biomarkers of early atherosclerosis and endothelial dysfunction measured by ultrasonography. Materials and Methods: clinical, analytical and transversal, with 217 women attended, submitted to a questionnaire and standardized physical examination, as well as ultrasound evaluation of the thickness of the IMC and DART. Statistical analysis was performed through multiple logistic regression and, when necessary, the Tukey test for analysis of variance, using SAS 9.3 software. Results were considered statistically significant at p <0.05. Results: multivariate logistic regression revealed that the absence of systemic arterial hypertension (OR 0.53 95% CI: 0.28-1.00), older age (OR 0.30 CI 95%: 0.26- 0.99) and diabetes mellitus (OR 0.33 95% CI: 0.11-0.99), are protective factors in relation to CMI thickening, and as well as absence of dyslipidemia would be a protective factor for DART alteration (OR 0,45 IC95%: 0,24-0,84). No statistical significance was found between DART and IMC. Conclusion: there is a correlation between the ultrasound biomarkers of early atherosclerosis and the clinical risk factors for atherosclerosis; the relationship between medial-intimal complex thickness and vascular reactivity markers (DART) did not present statistical significance

Descrição

Palavras-chave

aterosclerose, biomarcadores, complexo médio-intimal, distensibilidade arterial, Risco Cardiovascular

Como citar