Influência do tratamento de superfície pós condicionamento e da ciclagem termomecânica na resistência à fratura de coroas cerâmicas

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2012-02-06

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a resistência à fratura de coroas cerâmicas à base de dissilicato de lítio (IPS e.max CAD) submetidas a neutralização do precipitado do ácido fluorídrico (HF) associada ao banho ultrassônico, e envelhecidas por meio de ciclagem termomecânica. Quarenta molares humanos receberam um preparo convencional para coroa total após terem sido incluídos em um padrão de poliuretano com a simulação do ligamento periodontal. Após escaneamento digital dos preparos, os blocos cerâmicos foram usinados pelo sistema CAD/CAM para obtenção das coroas. As mesmas foram distribuídas nos grupos conforme o tratamento de superfície a saber: Grupos 1 e 3 - HF + silano; Grupos 2 e 4 - HF + neutralização do precipitado do ácido fluorídrico + banho ultrassônico + silano. As coroas foram cimentadas com cimento resinoso dual e os espécimes dos grupos 3 e 4 foram submetidos à ciclagem termomecânica (5 / 55 °C / 60 s enquanto ocorria 1.200.000 ciclos mecânicos de 4 Hz com carga de 100 N). As amostras foram submetidas ao ensaio de compressão, com carga aplicada no centro da face oclusal da coroa até a fratura. A análise das fraturas foi realizada macroscopicamente (método de Burke) e em um Microscópio Eletrônico de Varredura. Os dados de resistência a fratura foram submetidos ao teste estatístico de análise de variância dois fatores. Não houve diferença estatística entre os grupos estudados, independente da realização de ciclagem termomecânica ou de tratamento de superfície pós condicionamento proposto (p-valor = 0,8409). A maioria das falhas foi associada com a fratura do remanescente dentário, sendo que a origem da fratura estava localizada na superfície de cimentação. Foi concluído que a resistência à fratura de coroas cerâmicas para dentes posteriores a base...
The aim of this study was to evaluate the fracture resistance of lithium disilicate ceramic crowns (IPS e.max) subjected to neutralization of hydrofluoric acid (HF) associated with ultrasonic bath and aged by thermomechanical cycling. Forty human molar were prepared to receive a full crown after being included in a standard polyurethane with a simulation of the periodontal ligament. After the digital scanning of the prepared teeth, ceramic blocks were machined by CAD / CAM system to obtain the crowns. Then, they were distributed in groups according to surface treatment as follows: Groups 1 and 3 - HF + silane; Groups 2 and 4 - HF + neutralization + ultrasonic bath + silane. The crowns were cemented with dual-resin cement and the specimens of groups 3 and 4 were submitted to thermomechanical cycling (5 / 55 ° C for 60 s while the mechanical cycling of 1.200.000/ 4 Hz /100 N is occurring). Subsequently, the specimens were subjected to a mechanical test, with a compressive load applied at the center of the crown's occlusal surface until fracture. The fractograpy analyses was performed macroscopically (Burke method) and in a Scanning Electron Microscope. The values of fracture resistance were submitted to a statistical test ANOVA two factors. There was no statistical difference between the groups, regardless of surface treatment or thermomechanical cycling (p-value = 0,8409). Most of the failures were associated with tooth remaining fracture, and the origin of the fracture was located on the cementation surface. It was conclude that the fracture resistance of lithium disilicate posterior ceramic crowns is not influenced by the association between neutralization and ultrasonic bath, and the thermomechanical... (Complete abstract click electronic access below)

Descrição

Palavras-chave

Cerâmica odontológica, Resistencia de materiais, Coroas (Odontologia)

Como citar

MARINHO, Caroline Cotes. Influência do tratamento de superfície pós condicionamento e da ciclagem termomecânica na resistência à fratura de coroas cerâmicas. 2012. 119 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Odontologia de São José dos Campos, 2012.