Seasonal and ontogenetic variations in the diet of Cichla kelberi Kullander and Ferreira, 2006 introduced in an artificial lake in southeastern Brazil

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2010-11-01

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Instituto Internacional de Ecologia

Resumo

A dieta de Cichla kelberi introduzido em um lago artificial em Leme-SP foi composta predominantemente pelas espécies de peixes mais comuns nesse lago (Oreochromis niloticus e o próprio C. kelberi). Na primavera e no verão, o item mais consumido foi O. niloticus. Porém, o canibalismo foi muito comum para esta espécie. As altas frequências de O. niloticus e de C. kelberi revelam que a espécie apresenta um ciclo sazonal, se alimentando das presas mais comuns em cada período do ano, com uma redução da sua atividade alimentar durante o inverno. As dietas foram diferentes entre os exemplares imaturos e maduros, sugerindo que existem diferenças ontogenéticas, principalmente relacionadas ao tipo de presa, como: Ephemeroptera, consumidos pelos tucunarés imaturos e peixes, pelos maduros, além do tamanho das presas.
The diet of Cichla kelberi introduced in an artificial lake in Leme-SP was predominantly composed of common fish species (Oreochromis niloticus and C. kelberi). In the spring and summer, the most consumed item was O. niloticus. However, cannibalism was very common for this species. The high frequencies of O. niloticus and C. kelberi reveal that this species is adapted to a seasonal cycle, feeding on the most common prey in each period of the year, with a reduction of foraging activity during the winter. The diets were different among the immature and mature individuals suggesting that there are ontogenetic differences, mainly related to prey type, such as: Ephemeroptera consumed by the immature peacock bass and fish by the mature ones, besides the size of the prey.

Descrição

Palavras-chave

introdução de espécies, tucunarés, Cichla kelberi, introduction of species, peacock bass, Cichla kelberi

Como citar

Brazilian Journal of Biology. Instituto Internacional de Ecologia, v. 70, n. 4, p. 1033-1037, 2010.

Coleções