Diferentes estratégias de rastreamento e diagnóstico do Diabetes Mellitus Gestacional: estudo de coorte retrospectiva

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-08-01

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A Diabetes Mellitus Gestacional (DMG) e a Hiperglicemia Gestacional Leve (HGL) são condições associadas a graves complicações perinatais e riscos elevados de desenvolvimento de Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2) em mães e prole. No entanto, a falta de consenso na definição e diagnóstico dessas condições leva a estimativas variáveis de prevalência, complicando as decisões de alocação de recursos para os gestores de políticas de saúde. Globalmente, a prevalência de hiperglicemia na gravidez é em média de cerca de 16%, mas pode exceder 35% em contextos específicos. Este estudo avaliou retrospectivamente a adesão aos protocolos locais de rastreio e diagnóstico de DMG. Registros de 660 nascimentos consecutivos de risco misto em 2018 no Hospital das Clínicas de Botucatu foram revisados para garantir pelo menos 246 sujeitos para testes. A adesão a três protocolos de triagem para DMG (CAB32, MS2017, Rudge) foi avaliada usando seus respectivos algoritmos. Entre 645 casos elegíveis, a maioria havia realizado pelo menos um teste de glicose plasmática em jejum (GPJ) (84,3%), enquanto 46,9% haviam feito um teste de tolerância à glicose oral (TTGO) em qualquer idade gestacional. Surpreendentemente, 13,0% não realizaram nenhum teste relacionado à DMG. O protocolo CAB32 teve a maior taxa de adesão, com 46,8%. Notavelmente, 40,9% tinham um TTGO documentado durante a gravidez, com uma adesão geral às diretrizes de rastreio e diagnóstico de DMG de 57,1%. Os resultados sugerem uma adesão inadequada às diretrizes locais de rastreio e diagnóstico de DMG na amostra, com uma parcela significativa de mulheres não realizando os testes recomendados para DMG ou fazendo-os fora do momento apropriado. Isso levanta preocupações sobre a possibilidade de subdiagnóstico de DMG e os efeitos adversos associados.
Gestational Diabetes Mellitus (GDM) and Mild Gestational Hyperglycemia (MGH) are conditions linked to severe perinatal complications and heightened risks of Type 2 Diabetes Mellitus (T2DM) development in mothers and offspring. However, the absence of consensus in defining and diagnosing these conditions leads to variable prevalence estimates, complicating resource allocation decisions for healthcare policymakers. Globally, hyperglycemia prevalence in pregnancy averages around 16% but can exceed 35% in specific contexts. This study assessed adherence to local GDM screening and diagnostic protocols retrospectively. Records from 660 consecutive mixed-risk live births in 2018 at Hospital das Clínicas de Botucatu were reviewed to ensure at least 246 subjects for testing. Adherence to three GDM screening protocols (CAB32, MS2017, Rudge) was evaluated using their respective algorithms. Among 645 eligible cases, most had undergone at least one fasting plasma glucose (FPG) test (84.3%), while 46.9% had an oral glucose tolerance test (OGTT) at any gestational age. Surprisingly, 13.0% had no GDM-related tests. The CAB32 protocol had the highest adherence rate at 46.8%. Notably, 40.9% had a documented OGTT during pregnancy, with an overall adherence to GDM screening and diagnostic guidelines at 57.1%. The findings suggest inadequate compliance with local GDM screening and diagnostic guidelines in the sample, with a significant portion of women not undergoing recommended GDM tests or conducting them outside the appropriate timeframe. This raises concerns about potential GDM underdiagnosis and associated adverse effects.

Descrição

Palavras-chave

Diabetes gestacional, Estudos de coortes, Glicemia, Endocrinologia obstétrica, Diabetes Mellitus Gestacional, Gestational Diabetes Mellitus, Diagnosis, Blood glucose, Tests for maternal, Serum screening, Cohort study

Como citar