Aplicação do modelo de potência crítica na cinética do consumo de oxigênio em exercício supramáximo

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2006-11-27

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Manchado et al. (2002) determinaram os parâmetros do modelo da PCrit através dos valores submáximos da FC. Foi reportado a existência de uma relação linear da PCritFC e AWCFC submáxima com seus respectivos valores máximos. Diante da correlação entre a FC e o VO2, essas equações lineares foram re-inseridas no modelo hiperbólico da PCrit e deduzidas para predizer a cinética do VO2. O objetivo do presente estudo foi verificar a possibilidade de determinar os parâmetros da PCrit através da cinética do VO2 de apenas uma sessão de exercício supramáximo. Para isso, foram analisadas a resposta do VO2 de jovens universitários, 13 homens e 2 mulheres, submetidos a três ou quatro testes preditivos da PCrit e CTA. O VO2 foi coletado a cada 3 ciclos respiratórios, interpolado a cada um segundo e alisado com médias móveis de 15 segundos. Foram determinados os tempos para se atingir, 60, 65, 70, 75, 80, 85, 90, 95 e 100% do VO2max. Esses tempos apresentaram uma relação hiperbólica com a intensidade de trabalho e possibilitaram determinar os valores de PCrit e CTA correspondentes aos valores abaixo e no VO2max. Ancova demonstrou que esses valores de PCrit e CTA sub-VO2max se relacionavam de maneira linear com os valores máximos correspondentes. As equações lineares foram deduzidas ao modelo hiperbólico 2 2 2 1 * TVO k E P VO VO rep + = + , o qual apresentou bom ajuste à cinética do VO2 (0.90 < r2 <0.99). Os valores encontrados, para os termos da equação, possibilitaram predizer os valores de PCrit (PCrit_pred) e CTA (CTA_pred). Esses valores foram comparados, através do intervalo de confiança (IC), com seus respectivos parâmetros reais, mas não foi encontrada diferença para a PCrit. Entretanto, as grandes amplitudes do IC para a CTA e CTA_pred não permitiram realizar determinações acuradas para este parâmetro.
Manchado et al. (2002) determined CP model parameters through heart rate (HR) submaximal values. The authors reported a linear relationship between submaximal CPHR and AWCHR to its respectives maximal values. This work was based on the assumption that HR and VO2 have a qualitative correlation. Thus, those linear equations were re-inserted in CP hyperbolic model and deduced to predict VO2 kinetics. The main purpose of this study was test the use of VO2 kinetics, of one supramaximal exercise session, to determine the CP parameters. Were submitted to the experiment 13 men and 2 women. They realized 3 or 4 CP and AWC prediction tests and, during the trials, the VO2 response was collected every 3-breath cycle. It was interpolated to one-second values and smoothed by 15 s rolling average. The time to achieve 60, 65, 70, 75, 80, 85, 90, 95 and 100% of VO2max was recorded. Those times fitted to a hyperbolic relationship with exercise intensity, thus the CP and AWC related to sub- and VO2max were determined. ANCOVA revealed that each parameter sub- VO2max value was linear related to its maximal value. These two linear equations were deduced to the hyperbolic model 2 2 2 1 * TVO k E P VO VO rep + = + . The VO2 response was good fitted (0.90 < r2 < 0.99) and the equation term s values were used to determine predicted values of CP (CP_pred) and AWC (AWC_pred). These values were compared, by confidence intervals (CI), with its respective measured real values and no differences were found to CP. However, AWC and AWC_pred presented elevated CI ranges and does not allowed an accurate prediction of this parameter. In Summary, the kinetics model adopted to VO2 makes possible determine CP values using just one rectangular test.

Descrição

Palavras-chave

Fisiologia, Linear equations

Como citar

MOURA, Rodrigo Ferreira de. Aplicação do modelo de potência crítica na cinética do consumo de oxigênio em exercício supramáximo. 2006. v, 72 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, 2006.