Mulheres, saúde e grupalidade: estudo do grupo de convivência Reviver, Botucatu, SP

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2010-05-06

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

As atividades grupais estão presentes em várias áreas do conhecimento e têm sido uma importante ferramenta na Atenção Primária à Saúde. Quando entendido como processo, o grupo pode representar a resistência aos modos individualizantes, pode atuar como um dispositivo capaz de construir modos de produção de desejo e criatividade, provocando uma subjetividade singular. O presente trabalho descreveu e analisou a experiência de um grupo de vivência de mulheres enquanto espaço de produção de desejos, desmistificando modos de ser e de viver. A investigação, de natureza qualitativa, foi conduzida com as integrantes do grupo de convivência Reviver, constituído por senhoras na faixa dos 50 anos ou mais. O grupo teve início em 1999 tendo como público-alvo original usuárias da área de saúde mental do Centro de Saúde Escola (CSE), da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista (UNESP), e, como proposta, ser um espaço de promoção da saúde e de lazer. Inicialmente, eram encaminhadas pelo CSE, mas, com o fortalecimento do grupo, as próprias participantes começaram também a convidar amigas e familiares. As técnicas de coleta utilizadas foram observação participante, entrevista com formuladores do grupo e entrevistas baseadas nas histórias de vida de cinco mulheres. As histórias de vida foram integralmente transcritas e estudadas mediante análise temática de conteúdo. Os núcleos temáticos foram identificados segundo os diferentes ciclos da vida, tendo como mais relevantes: na infância e juventude (as dificuldades financeiras e a violência) e na vida de casada (“o lugar de mulher é dentro de casa”, laços sociais fragilizados, dificuldades financeiras, experiências de violência e a ajuda profissional). Reconheceu-se, ainda, os núcleos temáticos significativos...
Group activities are present in many fields of knowledge and are an important tool within primary healthcare. When regarded as a process, the group may represent resistance to individualization and may act as a device with the capacity to construct ways of producing desire and creativity, thereby causing singular subjectivation. The present study described and analyzed a group experience among women as a space for producing desires and demystifying the ways to exist and live. This investigation of qualitative nature was conducted among members of the Reviver (“Live Again”) social group, formed by women aged 50 years and over. This group was started in 1999, and its original target population was female users of the mental health sector of the Health Center School of the Botucatu Medical School, Universidade Estadual Paulista (UNESP). Its aim was to provide a space for health promotion and leisure. Initially, women were referred to the group by the Health Center but as the group strengthened, the participants themselves started to invite friends and family members to join. The data gathering techniques used were participant observation, interviews with group organizers and interviews based on the life histories of five women. The life histories were transcribed in full and evaluated by means of thematic content analysis. The core topics were identified according to different cycles of life, and the most important of these during childhood and young adulthood were financial difficulties and violence, while during married life they were “a woman’s place is in the home”, weakened social ties, financial difficulties, experiences of violence and professional help. Significant core topics relating to experiences within the Reviver group were also recognized, namely: experiences that... (Complete abstract click electronic access below)

Descrição

Palavras-chave

Saúde pública, Grupos sociais - Botucatu (SP), Promoção da saude, Stories of live

Como citar

LANGBECKER, Andrea. Mulheres, saúde e grupalidade: estudo do grupo de convivência Reviver, Botucatu, SP. 2010. 143 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina de Botucatu, 2010.