Perfil da fluência: análise comparativa entre gagueira desenvolvimental persistente familial e isolada

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2013-12-01

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

CEFAC Saúde e Educação

Resumo

PURPOSE: to evaluate and compare the fluency between the familial and the sporadic persistent developmental stuttering, characterizing the typology and the frequency of the disfluencies, the speech rate and the severity of the stuttering. METHOD: 40 participants aged from 6 to 42 years old, divided in two groups with twenty participants in each one: Familial Persistent Developmental Stuttering and Sporadic Persistent Developmental Stuttering. The procedures used were: clinical and familial history, assessment of fluency and Stuttering Severity Instrument. RESULTS: there were no statistically significant differences between the groups regarding the frequency of stuttering like disfluencies, the flow of syllables and words per minute and the severity of stuttering. It was noted a tendency of the group with familial stuttering to show a bigger variability of the severity of stuttering, going from mild to very severe, whereas in the group with sporadic stuttering, the severity varied from mild to severe. CONCLUSION: this study represents the first effort to the characterization of the speech fluency profile of the subgroups of people who stutter, namely familial persistent developmental stuttering and sporadic persistent developmental stuttering. It is possible to conclude that the speech fluency profile of people who stutter, independently of the familial history, is similar. It is noteworthy that the occurrence of some stuttering-like disfluencies, monosyllabic word repetition, block and intrusion were different between groups.
OBJETIVO: avaliar e comparar a fluência de indivíduos com Gagueira Desenvolvimental Persistente Familial e de indivíduos com Gagueira Desenvolvimental Persistente Isolada, caracterizando a tipologia das disfluências, a porcentagem de disfluências, a taxa de elocução e a gravidade da gagueira. MÉTODO: participaram 40 indivíduos, entre 6 e 42 anos de idade, divididos em dois grupos de 20 participantes cada um: Gagueira Desenvolvimental Persistente Familial e Gagueira Desenvolvimental Persistente Isolada. Os procedimentos utilizados nos grupos foram: histórias clínica e familial, avaliação da fluência e Instrumento de Gravidade da Gagueira. RESULTADOS: não houve diferenças estatisticamente significantes entre os grupos quanto à porcentagem de disfluências gagas, ao fluxo de sílabas e palavras por minuto, e a gravidade da gagueira. Nota-se uma tendência do grupo de pessoa com gagueira familial apresentar uma maior variabilidade da gravidade da gagueira, que foi de leve a muito grave, enquanto que, no grupo de pessoas com gagueira isolada, a gravidade variou de leve a grave. CONCLUSÃO: este estudo representa um primeiro esforço para a caracterização do perfil da fluência de subgrupos de pessoas que gaguejam, a saber, gagueira desenvolvimental persistente familial e gagueira desenvolvimental persistente isolada. Pode-se concluir que o perfil da fluência de pessoas com gagueira, independente do histórico familial, é semelhante. Vale ressaltar que a ocorrência de algumas tipologias gagas, repetição de palavra monossilábica, bloqueio e intrusão foram distintas entre os grupos.

Descrição

Palavras-chave

Fonoaudiologia, Fala, Gagueira, Distúrbios da Fala, Genética, Speech, Language and Hearing Sciences, Speech, Stuttering, Speech Disorders, Genetics

Como citar

Revista CEFAC. CEFAC Saúde e Educação, v. 15, n. 6, p. 1627-1634, 2013.