A educação sexual e suas entrelinhas nas concepções dos gestores

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2015-09-11

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Sex education is part of the school environment through the National Curriculum Parameters and aims to establish a curriculum reference and support the review and / or preparation of this proposal by the State or members schools of education systems. This research aims to establish the existence or not of sexuality teaching practice in schools, as it is developed and the difficulties encountered when it is applied. The methodology is qualitative, whose main technique for data collection was the semi-structured interview. They interviewed 12 municipal managers of a city in the state of São Paulo. The survey results revealed that managers have a partial definition of sexuality and sexual education often associating them with health, prevention, disease and early pregnancy, treating it only the biological and physiological insight and like common sense, without theoretical and scientific . Managers see as obstacles to implementation of sex education at school the lack of a specialist; family, religion, age and prejudice. Reported need for training for teachers, but that this initiative should be government agencies, because even with the support PCN as they feel lack of effective public policies. They agree to give support to the teacher and have sex education as critical to child development. It concludes that although there is a law that determines the realization of sex education in school is not enough for it to become effective. For this to occur lack a more forceful participation of the Education Secretary in the feeling of enabling an entire structure (public policy, training and resources) to its realization
A educação sexual está inserida no contexto escolar por meio dos Parâmetros Curriculares Nacionais e visa estabelecer uma referência curricular e apoiar a revisão e/ou elaboração dessa proposta pelos Estados ou escolas integrantes dos sistemas de ensino. Esta pesquisa tem por objetivo constatar a existência ou não da prática de ensino da sexualidade nas escolas, como ela é desenvolvida e as dificuldades encontradas quando é aplicada. A metodologia é qualitativa, cuja técnica principal de coleta de dados foi a entrevista semiestruturada. Foram entrevistados 12 gestores municipais de uma cidade no interior do Estado de São Paulo. Os resultados da pesquisa revelaram que os gestores têm uma definição parcial da sexualidade e educação sexual geralmente associando-as a saúde, prevenção, doenças e gravidez precoce, tratando-a somente pela visão biológica e fisiológica e como senso comum, sem embasamento teórico e científico. Os gestores veem como obstáculos para implementação da educação sexual na escola a falta de um profissional especializado; a família, a religião, a faixa etária e o preconceito. Relatam necessidade de capacitação para os professores, mas que essa iniciativa deve ser dos órgãos governamentais, porque mesmo com os PCN como respaldo eles sentem falta de políticas públicas efetivas. Concordam em dar respaldo ao professor e têm a educação sexual como fundamental para o desenvolvimento da criança. Conclui-se que apesar de existir uma legislação que determine a realização da Educação Sexual na escola, não é o suficiente para que ela se efetive. Para que isso ocorra falta uma participação mais contundente da Secretária da Educação no sentindo de viabilizar toda uma estrutura (política pública, capacitação e os recursos necessários) para sua realização

Descrição

Palavras-chave

Educação sexual, Escolas, Diretores escolares

Como citar

ZOCCA, Adriana Rodrigues. A educação sexual e suas entrelinhas nas concepções dos gestores. 2015. 78 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciencias e Letras (Campus de Araraquara), 2015.