Efeitos hemodinâmicos da anestesia em plano profundo com infusão intravenosa contínua de propofol ou propofol associado à lidocaína em cães

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2014-02-01

Autores

Mannarino, Rodrigo [UNESP]
Luna, Stélio Pacca Loureiro [UNESP]
Monteiro, Eduardo Raposo
Suzano, Sara Maria De Carvalho E
Bressan, Thais Feres

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Federal de Santa Maria

Resumo

The hemodynamic effects of total intravenous anesthesia with propofol or propofol in combination with lidocaine were investigated in 12 dogs. In the P group (n=6), the dogs received a loading dose (LD) of 6mg kg-1 of propofol followed by a constant rate infusion (CRI) of 1.25mg kg-1 min-1. In the PL group (n=6), dogs received a LD of 6mg kg-1 of propofol and 1.5mg kg-1 of lidocaine followed by CRIs of 1.0mg kg-1 min-1 and 0.25mg kg-1 min-1 of propofol and lidocaine, respectively. The animals were instrumented for measurement of hemodynamic variables and bispectral index (BIS), recorded at 75, 90, 105 and 120 minutes during anesthesia. Cardiac index, stroke index, systolic, diastolic and mean arterial blood pressures were lower in the P group compared to the PL group (P<0.05). There were no significant differences between groups in heart rate, systemic vascular resistance index and BIS. Plasma concentrations of propofol were lower in group PL than in group P (medians of 5.7 to 6.1mg mL-1 in the P group versus 3.1 to 3.7mg mL-1 in the PL group). Measured lidocaine plasma concentrations (medians of 2.27 to 2.51mg mL-1) were in the range that result in analgesia and were below values that result in toxicity in dogs. The BIS values observed in the two groups of dogs were compatible with deep anesthesia (mean values of 43-46 and 45-49 in groups P and PL, respectively). Maintenance of deep anesthesia with lidocaine-propofol causes less cardiovascular depression than equipotent doses of propofol alone.
Os efeitos hemodinâmicos da anestesia total intravenosa com propofol ou propofol associado à lidocaína foram estudados em 12 cães. No grupo P (n=6), os animais receberam bolus de 6mg kg-1 de propofol e infusão contínua de 1,25mg kg-1 min-1. No grupo PL (n=6), os animais receberam bolus de 6mg kg-1 de propofol e 1,5mg kg-1 de lidocaína, seguido de infusão de 1,0mg kg-1 min-1 e 0,25mg kg-1 min-1, dos mesmos fármacos, respectivamente. Os animais foram instrumentados para mensuração das variáveis hemodinâmicas e do índice bispectral (BIS), aos 75, 90, 105 e 120 minutos de anestesia. Foram observados valores menores de índice cardíaco, índice sistólico, pressões arteriais sistólica, diastólica e média no grupo P do que no grupo PL (P<0,05). Não foram observadas diferenças entre os grupos na frequência cardíaca, índice de resistência vascular sistêmica e BIS. As concentrações plasmáticas de propofol foram menores no grupo PL do que no grupo P (medianas de 5,7 a 6,1µg mL-1 no grupo P versus 3,1 a 3,7µg mL-1 no grupo PL). As concentrações plasmáticas de lidocaína (medianas de 2,27 a 2,51µg mL-1) mensuradas encontram-se na faixa que resulta em analgesia e abaixo de valores que resultam em toxicidade em cães. Os valores de BIS obtidos nos dois grupos foram compatíveis com plano profundo de anestesia (médias de 43 a 46 e 45 a 49 nos grupos P e PL, respectivamente). A manutenção da anestesia em plano profundo com lidocaína-propofol causa menor depressão cardiovascular do que a anestesia com dose equipotente de propofol isoladamente.

Descrição

Palavras-chave

anestesia intravenosa, eletroencefalografia, sistema cardiovascular, anestesia balanceada, anesthesia, intravenous, electroencephalography, cardiovascular system, balanced anesthesia

Como citar

Ciência Rural. Universidade Federal de Santa Maria, v. 44, n. 2, p. 321-326, 2014.