Efeito do álcool em osteoblastos de recém-nascidos de ratas submetidas ao consumo crônico de etanol

Imagem de Miniatura

Data

2011-07-21

Autores

Carvalho, Isabel Chaves Silva [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O álcool atua no organismo podendo trazer várias doenças, entretanto sua ação no tecido ósseo ainda apresenta resultados controversos. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do consumo crônico de álcool a 20% em osteoblastos obtidos da calvária de ratos recém-nascidos. Foram utilizadas 18 ratas prenhas, tratadas durante a gestação e divididas em grupos conforme a dieta: álcool a 20%, grupo isocalórico, e controle. Aos três dias de vida, os recém-nascidos foram eutanasiados para remoção da calvária e isolamento das células por meio de digestão enzimática sequencial, sendo estas cultivadas por períodos de até 14 dias. Foram realizados testes para avaliar o efeito do álcool na adesão, proliferação e viabilidade celular, no conteúdo de proteína total, na atividade da fosfatase alcalina e nas formações nodulares de matriz mineralizada. Os resultados mostraram que em geral, a adesão celular não foi influenciada pelo consumo crônico de álcool, já que não foi demonstrada diferença estatística entre os grupos. Contudo, o grupo álcool apresentou aumento significativo na proliferação, exceto no período de 1 dia, e nas formações nodulares. Com relação a viabilidade celular, apenas no período de 3 dias houve aumento significativo de células no grupo álcool. Os valores representativos de proteína total variaram dependendo do período estudado, sendo maior no grupo controle com 7 dias, porém aos 14 dias houve maior média nos grupos isocalórico e álcool. Quanto à fosfatase alcalina observamos aumento de sua atividade nos grupos álcool e isocalórico em todos os períodos. Concluímos que nesta metodologia, o álcool não apresentou efeito deletério para os osteoblastos, talvez pelo curto tempo de administração
The alcohol affects the organism and may cause various diseases, even though its effects on bone metabolism are still controversial. The purpose of this paper was to evaluate the effects of alcohol 20% chronic consumption in osteoblasts obtained from the calvaria of newborn mice. The alcohol was administrated to pregnant mice throughout the entire pregnancy. For that purpose, 18 mice were used, divided in groups according to the diet: 6 receiving alcohol 20%, 6 belonging to the isocaloric group and 6 receiving water and ration at will. At three days of life, the newborns were euthanized so as to remove the calvaria and start the cell culture procedures. The osteoblastic lineage cells were isolated by sequential enzymatic digestion and the osteoblasts were cultivated for periods of 14 days or less. Tests were performed on the culture slides to evaluate the effect of alcohol based on adhesion, proliferation and cellular viability on total protein content, alkaline phosphatase activity and nodule formation of mineralized matrix. The results have shown that the alcohol group presented significant increase in proliferation, except for the period of one day, and in nodule formation. A significant increase in the alcohol group concerning cellular viability was only observed in the period of 3 days and there was no statistic difference in adhesion. The total protein content was higher in the control group in 7 days, and the average higher in the isocaloric and alcohol groups in 14 days, according to the periods of time studied. An increase in the activity of the alkaline phosphatase was observed in the isocaloric and alcohol groups in all periods of evaluation. By this methodology, we have concluded that the alcohol has not presented any deleterious effect on osteoblasts, possibly due to the short period of administration

Descrição

Palavras-chave

Celulas - Adesão, Celulas - Proliferação, Fosfatase alcalina, Cultura celular - Técnicas

Como citar

CARVALHO, Isabel Chaves Silva. Efeito do álcool em osteoblastos de recém-nascidos de ratas submetidas ao consumo crônico de etanol. 2011. 84 f. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Odontologia de São José dos Campos, 2011.