Própolis: uma revisão sobre origem, características, composição, aplicação e perspectivas

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-06-12

Autores

Oliveira, Giovani Chiovatto Cláudio de

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A própolis é uma substância resinosa, gomosa e balsâmica, cuja origem se dá pela obtenção de resinas coletadas em exsudatos de folhas, brotos e cascas de árvores pelas abelhas. As abelhas modificam a resina adicionando secreções salivares, pólen e cera, dando origem à própolis propriamente dita. Apesar de parecer algo recente para a humanidade, a própolis já é utilizada desde o Egito antigo, pois, devido às suas características bioativas, era um dos componentes utilizados no processo de mumificação para embalsamar os mortos, auxiliando na preservação dos corpos. Além dos egípcios, existem relatos da utilização da própolis por diversas outras civilizações, como os gregos e romanos. Por ser um produto de origem primariamente vegetal, a própolis possui diversos compostos como vitaminas e minerais, além de compostos do metabolismo secundário das plantas, como: terpenos e compostos fenólicos. Por conta da sua composição, a própolis vem sendo amplamente utilizada e vê seu mercado crescendo ano após ano, desde o desenvolvimento das primeiras patentes entre 1955 e 1970. Atualmente existem diversos produtos contendo própolis na sua formulação, estes vão desde os tradicionais extratos de própolis, até pastilhas efervescentes, cremes dentais, shampoos, pomadas etc. Por conta da sua origem diversificada, composição extremamente complexa e inconstância química, no que tange à padronização, a própolis não pode ser considerada um medicamento, contudo, sua aplicação como um alimento funcional ou um suplemento natural, faz com que ano após ano, ela se torne algo cada vez mais procurado por todos aqueles que buscam estilos de vida mais saudáveis.
Propolis is a resinous, gummy, and balsamic substance, whose origin is given by obtaining resins collected in leaf exudates, buds, and tree bark by bees. Bees modify the resin by adding salivary secretions, pollen, and wax, giving rise to propolis itself. Although it seems something recent for humanity, propolis has been used since ancient Egypt, because, due to its bioactive characteristics, it was one of the components used in the mummification process to embalm the dead, helping to preserve the bodies. In addition to the Egyptians, there are reports of the use of propolis by several other civilizations, such as the Greeks and Romans. Because it is a product of primarily vegetable origin, propolis has several compounds such as vitamins and minerals, in addition to compounds from the secondary metabolism of plants, such as: terpenes and phenolic compounds. Due to its composition, propolis has been widely used and its market has been growing year after year, since the development of the first patents between 1955 and 1970. Currently, there are several products containing propolis in their formulation, ranging from the traditional propolis extracts, even effervescent tablets, toothpastes, shampoos, ointments, etc. Due to its diverse origin, extremely complex composition, and chemical inconstancy, with regard to standardization, propolis cannot be considered a medicine, however, its application as a functional food or a natural supplement, means that year after year, it become something increasingly sought after by all those seeking healthier lifestyles.

Descrição

Palavras-chave

Própolis, Abelhas, Resina, Compostos fenólicos, Revisão própolis, Propolis, Bees, Resin, Phenolic compounds, Propolis review

Como citar