Mudanças ambientais e extinções durante o Eon Fanerozoico

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2018-12-13

Autores

Pedrosa, Marcelle Serrano [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Not available
O tempo geológico da Terra é dividindo em éons, eras, períodos. O Eon Criptozoico é o primeiro da escala geológica, distribui-se cronologicamente de 4,6 bilhões de anos atrás até 540 milhões e é subdividido em (a) Hadeano, evidenciado por cristais de Zircão; (b) Arqueano, quando surgiram os primeiros seres vivos, sejam heterótrofos, quimiossintetizantes ou fotossintetizantes, como cyanobactérias presentes eventualmente em formações carbonáticas conhecidas como estromatólitos; (c) Proterozoico, com as primeiras formas de vida multicelulares conhecidas, como a Fauna de Ediacara. A partir de 540milhões de anos tem-se o Eon Fanerozoico, que alcança os dias atuais, é subdividido em três eras marcadas pelo desenvolvimento de vida bastante diversificada, mudanças climáticas e extinções através do planeta (OLIVEIRA, 2006). Alterações ambientais são eventos drásticos, consequentes de atividades endógenas ou exógenas, como colisões de asteroides, que impactam direta e indiretamente as formas de vida existentes. Tais eventos agem como seletores adaptativos, que proporcionam exploração e colonização de novos nichos ecológicos, que surgirão com estas mudanças ambientais (CÂMARA, 2007). O estudo a seguir busca analisar contribuições científicas sobre extinções ocorridas no Planeta, ao longo do Eon Fanerozoico, abordando diversos aspectos, para reflexão e discussão de algumas propostas, e suas possíveis aplicações no futuro

Descrição

Palavras-chave

Mudanças ambientais globais, Extinção (Biologia), Mudanças climáticas, Paleontologia, Terra (Planeta)

Como citar

PEDROSA, Marcelle Serrano. Mudanças ambientais e extinções durante o Eon Fanerozoico. 2018. 175 f. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Ciências Biológicas) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro), 2018.