Alterações ultrassonográficas renais e vesicais de ovinos confinados e suplementados com cloreto de amônio

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2014-12-01

Autores

Ferreira, Danilo O. L. [UNESP]
Santarosa, Bianca P. [UNESP]
Belotta, Alexandra F. [UNESP]
Mamprim, Maria Jaqueline [UNESP]
Silva, Andreza A. da
Dias, Adriano [UNESP]
Chiacchio, Simone B. [UNESP]
Goncalves, Roberto C. [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Revista Pesquisa Veterinaria Brasileira

Resumo

The incidence of obstructive urolithiasis in sheep is high, especially in feedlot males, both for meat production, or the breeder of high genetic value. The urinary acidification is one of the methods for preventing this disease and can be performed efficiently with supplementation of ammonium chloride (AC) in the diet. It was used 100 male lambs, in a feedlot, crossbred (Ile de France X White Dorper), aged approximately three months. It was constituted three groups: Group 21AC (n = 40) that received 400mg/kg/PV of ammonium chloride/animal/ day for 21 consecutive days, the time of discontinuation of the urinary acidifiers (M3) and continued clinical follow until the end of the experiment (M6); Group 42AC (n = 40), that received 400mg/kg/PV of ammonium chloride/animal/day for 42 consecutive days, Group control (n = 20), that did not receive ammonium chloride throughout the experimental period. The feed consisted of total dry matter, composed of 15% ground hay and 85% concentrate, water and mineral salts ad libitum. After 14 days of adaptation to food and the environment, the moments (M) for clinical evaluation, and blood collection ultrasound examinations were performed with an interval of seven days, and M0 (immediately before the beginning of the treatment with ammonium chloride), M1 (seven days), M2 (14 days after), M3 (21 days after initiation of treatment and suspension of ammonium chloride in Group 21CA), M4 (28 days), M5 (35 days), and M6 (42 days), amounting to 56 days of feedlot. The serum urea and creatinine showed no change in renal function, although the urea was above the reference values for sheep. There were compatible ultrasound images with bladder stones and dilatation of the renal pelvis. In Group 21AC, 15% (6/40) of the animals had bladder stones; in Group 42AC 5% (2/40); and in Group control, 20% (4/20) of the lambs. It was visualized suggestive images of sediment and crystals in 31% (31/100) of examined animals. Ultrasonography allowed visualization of kidney and bladder abnormalities, which were not related to clinical symptoms of obstructive urolithiasis, appearing as an examination complement of great importance for the early detection of changes in the urinary system of sheep.
A incidência da urolitíase obstrutiva em ovinos é elevada, principalmente em machos confinados, tanto para produção de carne, quanto reprodutores de alto valor genético. A acidificação urinária é um dos métodos para prevenção desta enfermidade e pode ser realizada de forma eficaz com a suplementação de cloreto de amônio (CA) na dieta. Utilizaram-se 100 ovinos, machos não castrados, mestiços (Ile de France X White Dorper), confinados, com idade aproximada de três meses. Constituíram-se três grupos experimentais: Grupo 21CA (n=40) que recebeu 400mg/kg/PV de cloreto de amônio/animal/dia, por 21 dias consecutivos; Grupo 42CA (n=40) que foi suplementado com 400mg/kg/PV de cloreto de amônio/animal/dia, por 42 dias consecutivos; Grupo controle (n=20), que não recebeu CA. A alimentação consistiu de ração total, composta por 15% de feno triturado e 85% de concentrado, água e sal mineral ad libitum. Após 14 dias de adaptação à alimentação e ao ambiente, os Momentos (M) de avaliação clínica, colheita de sangue e exame ultrassonográfico foram realizados com intervalo de sete dias, sendo M0 (imediatamente antes do início do tratamento com cloreto de amônio), M1 (sete dias após), M2 (14 dias após), M3 (21 dias após o início do tratamento e suspensão do cloreto de amônio em Grupo 21CA), M4 (28 dias após), M5 (35 dias após) e M6 (42 dias após), totalizando 56 dias de confinamento. As dosagens de ureia e creatinina não evidenciaram alteração na função renal, embora a ureia estivesse acima dos valores de referência para espécie ovina. Observaram-se imagens ultrassonográficas compatíveis com cálculos vesicais e dilatação de pelve renal. No Grupo 21CA, 15% (6/40) dos animais apresentaram cálculos vesicais; no Grupo 42CA, 5% (2/40); e no Grupo controle, 20% (4/20) dos cordeiros. Visibilizaram-se também imagens sugestivas de sedimentos e cristais em 31% (31/100) dos animais examinados. A ultrassonografia permitiu a visibilização de alterações renais e vesicais, porém não relacionados ao quadro clínico de urolitíase obstrutiva, revelando-se como um exame complementar de grande relevância para o diagnóstico precoce de alterações no sistema urinário de ovinos.

Descrição

Palavras-chave

Bladder, Kidneys, Small ruminants, Ultrassonography, Urinary acidifying, Urolithiasis, Acidificante urinário, Bexiga, Pequenos ruminantes, Rins, Ultrassonografia, Urolitíase

Como citar

Pesquisa Veterinaria Brasileira. Rio Janeiro: Revista Pesquisa Veterinaria Brasileira, v. 34, suppl 1, p. 99-106, 2014.