Show simple item record

dc.contributor.advisorLeite, Clarice Queico Fujimura [UNESP]
dc.contributor.authorSilva, Isabella Santos [UNESP]
dc.date.accessioned2015-03-23T15:28:56Z
dc.date.available2015-03-23T15:28:56Z
dc.date.issued2013
dc.identifier.citationSILVA, Isabella Santos. Pesquisa de genes de resistência do M. tuberculosis a isoniazida e rifampicina por sequenciamento e pela tecnologia de DNA-STRIP. 2013. 37 f. , 2013.
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/121210
dc.description.abstractTuberculose (TB), causada por Mycobacterium tuberculosis, é uma das doenças infecciosas que mais causam mortes. Estima-se que mais de dois bilhões de pessoas estejam infectadas no mundo. O tratamento da TB consite em associação de fármacos, isoniazida, rifampicina, pirazinamida e etambutol, nos primeiros 2 meses e 4 meses de isoniazida e de rifampicina. Internacionalmente, são consideradas cepas multi resistentes (MDR), as que apresentam resistência simultânea a isoniazida e a rifampicina. A rápida detecção de resistência é essencial para o controle e tratamento da TB, reduzindo, assim, o custo do tratamento e a transmissão da doença. Neste projeto, os isolados já identificados fenotipicamente como resistentes a isoniazida e/ou rifampicina, foram submetidos ao sequenciamento de Sanger para pesquisa de 3 genes relacionados a resistência a isoniazida (katG, inhA e ahpC) e 1 gene de resistência a rifampicina (rpoB). Foi realizada uma comparação destes genes mutados para a resistência utilizando o novo teste desenvolvido pela Biomérieux, denominado GenoType® MTBDRplus, que se baseia na tecnologia DNA-STRIP. Através deste novo teste, foi observada mutação em 22 isolados clínicos de M. tuberculosis para genes de resistência a isoniazida e/ou rifampicina, sendo 4 provenientes do MS e 18 de SP. Já pelo sequenciamento genético foi observada mutação em 24 isolados para genes de resistência a isoniazida e/ou rifampicina, sendo 6 provenientes do MS e 18 de SP. Portanto, através do sequenciamento de Sanger, foi possível detectar um número maior de isolados mutados e mais mutações quando comparado ao teste GenoType® MTBDRplus. Isso acontece porque na técnica de sequenciamento, um fragmento do gene como um todo é analisado e no caso do teste GenoType® MTBDRplus, é verificada apenas a ausência ou presença das mutações mais frequentes descritas na literatura, além de não ser analisado o gene ahpC. A grande ...pt
dc.format.extent37 f.
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.sourceAleph
dc.subjectMycobacterium tuberculosispt
dc.subjectTuberculosept
dc.subjectRifamicinaspt
dc.subjectFármacospt
dc.titlePesquisa de genes de resistência do M. tuberculosis a isoniazida e rifampicina por sequenciamento e pela tecnologia de DNA-STRIPpt
dc.typeTrabalho de conclusão de curso
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Araraquarapt
dc.identifier.aleph000746142
dc.identifier.file000746142.pdf
dc.identifier.lattes2114570774349859
unesp.undergraduateFarmácia-Bioquímica - FCFARpt
unesp.author.lattes2114570774349859
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record