Sucessão estratigráfica do Andar Alagoas na Serra do Tonã, Bacia do Tucano (BA)

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2013

Autores

Varejão, Filipe Giovanini [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

STRATIGRAPHIC SUCCESSION OF ALAGOAS STAGE ON SERRA DO TONÃ, TUCANO BASIN (BAHIA). Located in northeast of Bahia, serra do Tonã is a NS elongated plateau that standsout in the flattened relief of Tucano Basin. The stratigraphic succession belongs to the Aptian post-rift sequence of this basin. Based on facies analysis, vertical stratigraphic profiles and satelite images interpretation, three stacked stratigraphic units were recognized: (1) lower carbonate unit, composed by laminated limestones and breccias, 5 m thick, correlated with Camadas Batateira of Arripe Basin; (2) intermediate siliciclastic unit, 100m thick and made of sandstones exhibiting finning upward cycles, overlaid by mudstones and sandstones wich sedimentary structures suggest action of tidal currents and (3) upper carbonate unit, composed by laminated limestones, 2-10 m thick, related with Santana Formation, that record lacustrine environment with possible marine influence. Paleocurrent analysis indicates proviniance from north and paleoflows towards south, similar to the Aptian fluvial facies of Araripe Basin, showing that both basins integrated the same continental paleodrainage
Localizada no nordeste da Bahia, a serra do Tonã é uma chapada alongada na direção N-S e de topo plano, que se destaca na paisagem de relevo arrasado da Bacia do Tucano. A sucessão estratigráfica presente nessa região compõe a sequência pós-rifte da bacia, de idade aptiana. Por meio do levantamento de seções-colunares, da identificação das fácies sedimentares e da interpretação de imagem de satélite, foram reconhecidas três unidades estratigráficas contínuas na serra do Tonã, que se superpõem na vertical, correlacionadas ao registro aptiano da Bacia do Araripe: (1) unidade carbonática inferior, formada por calcários laminados e níveis brechados, com espessura média de 5 m, correlatos às Camadas Batateira; (2) unidade siliciclástica intermediária com aproximadamente 100 m de espessura, composta na parte inferior por arenitos com porções conglomeráticas, em ciclos de granodecrescência ascendente, que gradam para lamitos intercalados com arenitos na parte superior; estruturas sedimentares sugerem atuação de correntes de maré na porção superior da unidade; e (3) unidade carbonática superior, constituída de calcários laminados, com espessura variável entre 2 e 10 m, relacionados à base da Formação Santana, registro da implantação de um sistema subaquoso lacustre, possivelmente com influência marinha. A análise de paleocorrentes na seção siliciclástica intermediária indica área-fonte a norte e paleofluxos com rumo para sul, assim como os apresentados paras as fácies fluviais aptianas da Bacia do Araripe, mostrando que as duas bacias integravam uma mesma paleodrenagem continental

Descrição

Palavras-chave

Geologia estratigráfica, Facies (Geologia), Paleocorrentes, Bacias sedimentares, Tucano, Bacia do (BA)

Como citar

VAREJÃO, Filipe Giovanini. Sucessão estratigráfica do Andar Alagoas na Serra do Tonã, Bacia do Tucano (BA). 2013. 50 f. Trabalho de conclusão de curso (Geologia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2013.