Assistência odontológica integral às crianças de 0 a 30 meses de idade - Programa Domiciliar Intensivo de Conscientização de Promoção de Saúde Bucal

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2001
Autores
Percinoto, Célio [UNESP]
Paula, Alessandra de [UNESP]
Oliveira, Alexandre Jorge de [UNESP]
Reina, Cristiane Iglesias [UNESP]
Prado, Danielle Zola de Almeida [UNESP]
Silva, Gismari Miranda da [UNESP]
Amorin, Josiele Aparecida de [UNESP]
Sá, Patrícia Marra de [UNESP]
Ximenes, Priscila [UNESP]
Souza, Poliana Poian [UNESP]
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Universidade Estadual Paulista (Unesp)
Resumo
Este Projeto é parte integrante das iniciativas que visam divulgar/promover a assistência odontológica integral ao bebê, a qual vem sendo desenvolvida desde 1991 na Faculdade de Odontologia de Araçatuba. Os alunos bolsistas (em número de 10), pertencem ao segundo ano do curso de Odontologia, e deverão permanecer até o quarto ano como uma só equipe dando continuidade ao desenvolvimento de outros projetos desta mesma linha. Os bolsistas realizaram um levantamento bibliográfico de literatura atualizada, versando sobre o assunto, com a finalidade de prover maiores subsídios para a execução do projeto. Os trabalhos selecionados, na maioria de língua inglesa, foram então traduzidos e apresentados em forma de discussão. Na sequência, para a obtenção dos endereços das famílias que seriam visitadas, realizou-se um levantamento no Cartório de Registros de Araçatuba com a finalidade de obtermos informações sobre famílias que possuíssem crianças na faixa etária entre 0 e 12 meses de idade. Ao mesmo tempo foram realizadas reuniões com a participação do orientador e do grupo de alunos para o planejamento dos assuntos a serem abordados nas visitas, bem como da forma de transmissão dos mesmos. Nessa fase do Projeto foi também produzido o material didático, que constou de um apostila, contendo orientações e informações sobre a importância da saúde bucal em linguagem simples e de fácil compreensão para a população em geral. Ainda, foi elaborado um questionário com cinco perguntas para medir o nível de conhecimento básico da população sobre o atendimento odontológico ao bebê. Previamente ao início das visitas domiciliares, foi realizado um amplo trabalho de divulgação do projeto, junto aos meios de comunicação na cidade, rádio e TV, com a finalidade da população tomar conhecimento do projeto. Após, demos início às visitas que totalizaram 108 famílias de bairros mais periféricos da cidade de Araçatuba. Durante a visita, os estagiários seguiram um roteiro, para auxiliar na condução da entrevista com a família, e ao final, forneciam uma carta de apresentação aos pais para que inscrevessem seus bebês no atendimento oferecido pela Faculdade, e apresentavam as questões que eram então respondidas pelos entrevistados. Considerando que 108 famílias foram visitadas, encontramos os seguintes resultados: 37 (34%) famílias compareceram, posteriormente, com seus bebês à Unidade de Atendimento da Bebê-Clínica da Faculdade de Odontologia de Araçatuba. Com relação às 5 questões formuladas tivemos os seguintes resultados: 1. Conhece a Bebê-Clínica? Das 108 famílias entrevistadas, 64 (60%) não conheciam e 44 (40%) já tinham ouvido falar a respeito. 2. Realiza higiene bucal no bebê? 59 (55%) famílias não realizavam qualquer tipo de higiene em seus bebês, enquanto 49 (45%) sim. 3. Quando devem iniciar a higiene bucal do bebê? 97 ( 90%) não souberam responder, enquanto 11 (10%) responderam que deve iniciar a higiene com a erupção dos dentes. 4. Estaria disposto a levar o bebê para participar do atendimento na Faculdade? 105 (97%) responderam que sim e somente 3 (3%) responderam não. 5. Os pais visitam o dentista com frequência? A maioria, 74 (69%) respondeu que visita regularmente o dentista e 34 (31%), não. Pelas respostas obtidas pôde-se observar que há interesse e pouco conhecimento sobre as necessidades de saúde bucal básicas, e muito embora se mostrassem receptivos em receber as orientações e informações, a verdadeira conscientização, parece-nos que não foi verificada pela pequena adesão (34%) ao atendimento na Unidade da Bebê-Clínica.
Descrição
Palavras-chave
Como citar