Efeitos pós-operatórios do descolamento tecidual com ultrassom cirúrgico nas exodontias de terceiros molares inferiores: estudo clínico

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2018-08-24

Autores

Souza, Bárbara Cecília Oliveira [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

The use of the ultrasound device for detachment of mucoperiostal flaps in exodontia has been suggested as an alternative to reduce discomfort and postoperative edema, but without a great scientific basis. The aim of this study was to evaluate the postoperative effects of tissue detachment by means of surgical ultrasound. The study consisted of ten healthy young patients, who had the 38 and 48 semi-included or included teeth with indication of ostectomy and odontostomy, and who presented similarities regarding surgical difficulty. Each patient had the two lower third molars removed in two surgical times, the one-sided tooth included in the control group, with the conventional technique of flap detachment (Molt detachment) and its contralateral included in the researched group (tip detachment). ultrasound). The interval between the two surgeries was at least 15 days. The parameters evaluated in the study were: surgical time, pain, edema, trismus and dehiscence in the postoperative period, in 5 times: preoperative, 01, 03, 07 and 14 postoperative days. As results were obtained that on average: the operative time was lower in the control group; no suture dehiscence was observed in both groups; trismus did not present significant differences, although it was slightly lower in the studied group, however the edema presented significant differences. It was reported that 7 of the 10 patients preferred the conventional surgical method and only 3 chose the method researched. It was concluded that the edema was significantly lower on the third postoperative day, when the surgical ultrasound was used
A utilização do aparelho de ultrassom para descolamento de retalhos mucoperiostais em exodontias tem sido sugerida como alternativa para redução do desconforto e edema pósoperatório, porém sem grande embasamento científico. O objetivo deste estudo foi avaliar efeitos pós-operatórios do descolamento tecidual por meio de ultrassom cirúrgico. O estudo contou com dez pacientes jovens e saudáveis, portadores dos dentes 38 e 48 semi-inclusos ou inclusos com indicação de exodontia por ostectomia e odontossecção e que apresentassem semelhança quanto a dificuldade cirúrgica. Cada paciente teve os dois terceiros molares inferiores removidos em dois tempos cirúrgicos, sendo o dente de um lado incluído no grupo controle, com a técnica convencional de descolamento de retalho (descolador de Molt) e seu contralateral incluído no grupo pesquisado (descolamento com ponta de ultrassom). O intervalo entre as duas cirurgias foi no mínimo de 15 dias. Os parâmetros avaliados no estudo foram: tempo cirúrgico, dor, edema, trismo e deiscência no pós-operatório, em 5 tempos: pré-operatório, 01, 03, 07 e 14 dias pósoperatórios. Como resultados foram obtidos que em média: o tempo operatório foi menor no grupo controle; não foi observada deiscência de sutura em ambos os grupos; o trismo não apresentou diferenças significativas, apesar de ter sido ligeiramente menor no grupo pesquisado, entretanto o edema apresentou diferenças significativas. Foi relatado que 7 dos 10 pacientes preferiram o método cirúrgico convencional e apenas 3 optaram pelo método pesquisado. Concluiu-se que o edema foi significativamente menor no terceiro dia de pós operatório, quando utilizado o ultrassom cirúrgico

Descrição

Palavras-chave

Piezocirurgia, Dente serotino, Ultrassom em odontologia, Extração dentária, Piezosurgery

Como citar

SOUZA, Bárbara Cecília Oliveira. Efeitos pós-operatórios do descolamento tecidual com ultrassom cirúrgico nas exodontias de terceiros molares inferiores: estudo clínico. 2018. 24 f. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Odontologia) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Faculdade de Odontologia de Araçatuba, 2018.