Efeitos do estresse precoce de vida na inervação da língua: um estudo experimental em ratos

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-07-05

Autores

Silva Filho, Nilton José da [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Evidências crescentes mostram que várias formas de estresse estão associadas a alterações no sistema nervoso. No entanto, não foi analisado como o estresse afeta a inervação da língua. Para examinar se o estresse precoce altera a inervação da língua de ratos, vinte ratos machos Wistar foram divididos em 2 grupos (n=10): Controle – ratos não expostos ao EPV por SM; SM – ratos expostos a EPV por SM. O protocolo de SM consistiu em separar as ninhadas da mãe por um período de 3 horas por 21 dias consecutivos após o nascimento. Após completar sete meses de idade, todos os ratos foram eutanasiados. Foram realizadas reações imunohistoquímicas para S100 e TH. As análises para o S100 revelaram um aumento na densidade dos nervos na região subepitelial e média, enquanto que na região média e inferior houve um aumento no número de estruturas neurais. Já na análise para o TH, apesar de uma tendência no aumento da densidade dos nervos, não houve significância estatística. Também não observamos diferenças no número de estruturas neurais simpáticas. Não houve diferença estatística no diâmetro dos nervos para ambos marcadores. Nós demonstramos pela primeira vez que ratos submetidos ao estresse precoce por separação materna apresentaram maior densidade de nervos na região subepiteligal da língua e também um número maior de estruturas neurais na região média e inferior da língua (S100). Também mostramos que ratos submetidos à SM tiveram um aumento na densidade de nervos na região média da língua. O número e a densidade das fibras nervosas simpáticas não foram afetados. O EPV também induziu uma atrofia do baço e glandulas adrenais. Nossos resultados indicam que o estresse precoce de vida por separação materna induziu mudanças na estrutura neural das línguas de ratos adultos.
Increasing evidence has shown that various forms of stress are associated with changes in the nervous system. However, it has not been analyzed how stress affects the tongue innervation. To examine whether early life stress alters the innervation of the tongue of rats, twenty male Wistar rats were divided into 2 groups (n=10): Control – rats not subjected to ELS by MS; MS – rats subjected to ELS by MS. The MS protocol consisted of separating the litters from the dam for a period of 3 hours for 21 days consecutively after birth. After reaching seven months old, all the rats were euthanized. Immunohistochemical reactions for S100 and TH were performed. The analysis for S100 revealed an increase in nerve density in the subepithelial and median areas, whereas in the median and inferior areas there were an increase in neural structures. On the analysis for TH staining, despite a trend toward an increase in nerve density, there was no statistical significance. We also did not observe differences in the number of sympathetic neural structures. There were no differences regarding nerve diameter for both markers. Here, we demonstrated for the first time that rats subjected to early life stress by maternal separation displayed higher nerve fibers density in the subepithelial area of the tongues and also had higher number of neural structures in the median and inferior areas of the tongues. We also showed that MS rats had an increase in nerve density in the median area of the tongues. The number and nerve density of sympathetic nerve fibers were not affected. The ELS also induced an atrophy of the spleen and adrenal glands. Our results indicate that early life stress by maternal separation induced changes in the neural structure of the tongues of adult rats.

Descrição

Palavras-chave

Estresse psicológico, Inervação, Privação materna, Língua, Estresse psicológico, Inervação, Privação dos pais, Língua, Tongue

Como citar