Perspectivas femininas em Helena Morley e Lygia Fagundes Telles: Minha vida de menina e As meninas

Imagem de Miniatura

Data

2008-08-08

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Apresenta-se o estudo da construção do eu feminino em duas obras da literatura brasileira, uma de 1942, Minha vida de menina, de Helena Morley, e outra de 1973, As meninas, de Lygia Fagundes Telles. De um lado, tem-se a descrição do cotidiano e da vida pacata de uma pequena cidade do interior de Minas Gerias feita por Helena Morley no final do século XIX, e, de outro, a vida urbana, cosmopolita, agitada e politizada de As meninas de Lygia Fagundes Telles. A ficção introspectiva de Lygia em As meninas sonda a alma humana e explora as inquietações existenciais das personagens. Através de Lia, Ana Clara, e Lorena, a autora traduz problemas psicológicos, religiosos, filosóficos e morais relacionados à vivência urbana. As diferenças de visão de mundo das jovens narradoras, uma do século XIX e três do século XX, proporcionam também uma visão de como o papel da mulher mudou na nossa sociedade. De uma maneira surpreendente, Helena Morley coloca-se à frente de seu tempo e questionadora da condição feminina, sendo este um dos aspectos importantes da obra. Minha vida de menina e As meninas apresentam-nos diversos e distintos perfis de mulheres, que, ao mesmo tempo em que consolidam as posições femininas na sociedade em que estão inseridas, permitem-nos colocá-las em cheque. Tão distintos pontos de vista nos fazem conhecer as diversas facetas do tempo histórico em que cada uma dessas mulheres viveu. O resultado é uma nova história, a história interpretada sob o ponto de vista feminino. Momentos históricos como a Proclamação da República, a Abolição da Escravatura e a Ditadura Militar são recriados por cada uma dessas mulheres. O tratamento temporal e a representação do corpo feminino são as categorias que representam, nas obras estudadas, o surgimento e o desenvolvimento de uma nova mulher brasileira, uma mulher cada vez mais livre em relação...
The study of the construction of the self-feminine is highlighted in two major literary works of the Brazilian literature, one from 1942, Minha vida de menina, by Helena Morley; and another from 1973, As meninas, by Lygia Fagundes Telles. On the one hand, Morley describes a peaceful everyday life in a small town in Minas Gerais state in the end of the 19th century and, on the other hand, a bursting, urban, cosmopolitan and politicized life is tackled by Lygia Fagundes Telles. Tele’s introspective narrative in As meninas probes the human soul and explores the character’s existencial inquietudes. Through Lia, Ana Clara, and Lorena, the author analyses pshyhological, religious, philosophical and moral problems related to urban life. The narrators’ differing points of view, one belonging to the 19th century and the other three to the 20th century, result in na appreciation of the changing social landscape occupied by women. In a surprising way, Morley is ahead of her time when she questions the feminine condition, this being the most outstanding aspect of her book. Minha vida de menina and As meninas present us with diverse and distinct women’s profiles that, while consolidating their feminine positions in the society they are inserted, allow us to put them in check. Distinct points of view make us familiar with the many facets of the historical time these women lived. The result is a new history, a history interpreted by a female point of view. Historical moments such as the republic proclamation, slavery abolition and the military dictatorship are recreated by each of these women. The temporal treatment and the representation of the female body are categories representative, in these books, of the birth and development of a new Brazilian women, a freer woman concerning their bodies and possibilities of expression. Each author builds time in their works in a particular... (Complete abstract click electronic access below)

Descrição

Palavras-chave

Morley, Helena, 1882-1970 - Minha vida de menina - Crítica e interpretação, Telles, Lygia Fagundes, 1923- Crítica e interpretação, Showalter, Elaine, Literatura brasileira, Helena Morley, Lygia Fagundes Telles, Minha vida de menina

Como citar

RECCHIA, Cristal. Perspectivas femininas em Helena Morley e Lygia Fagundes Telles: Minha vida de menina e As meninas. 2008. 93 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2008.