Seleção de progênies de Pinus caribaea Morelet var. bahamensis Barrett & Golfari para produção e qualidade de madeira e resina

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-12-11

Orientador

Longui, Eduardo Luiz

Coorientador

Aguiar, Ananda Virgínia de

Pós-graduação

Ciência Florestal - FCA 33004064082P6

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Dissertação de mestrado

Direito de acesso

Acesso restrito

Resumo

Resumo (português)

Nas regiões em que predomina o clima tropical no Brasil, as variedades de Pinus caribaea, vulgarmente conhecidas como pínus tropicais, apresentaram maior adaptabilidade. Assim, o objetivo do presente estudo foi estimar a variabilidade genética de um teste de progênie de Pinus caribaea var. bahamensis para formação de pomar de sementes por mudas para produção e qualidade de madeira e resina. O material utilizado foi um teste de progênie de polinização aberta de P. caribaea var. bahamensis com 34 anos. O experimento está instalado no município de Assis, SP, em um delineamento experimental de blocos completos ao acaso, composto por 72 progênies, uma planta por parcela com 28 repetições, totalizando 2.016 árvores, em espaçamento de 6 x 6 metros. Foram avaliados os caracteres de crescimento (DAP, altura total, volume) e forma de fuste (forma de fuste, conicidade, a largura entrenós, o ângulo e a espessura dos galhos) e características da madeira (velocidade do som e o módulo de elasticidade dinâmico). A dimensão das traqueídes para os índices de qualidade de papel e a celulose foram avaliados. A produção de resina de todos os indivíduos remanescentes também mensurada. Todos os dados obtidos foram submetidos a análise de normalidade e análise descritiva e realizada a análise de deviance e a estimativa de componentes de variância e parâmetros genéticos. Foram observadas as diferenças significativas entre as progênies para todos os caracteres avaliados. Os valores médios obtidos para DAP, altura, volume, índice de seleção e resinagem total foram 47,95 cm, 26,45 m, 2,34 m³arv -1, 3.641,71 e 5,07 kg. arv -1 ano -1, respectivamente. Os coeficientes de variação relativa apresentaram maiores índices para DAP, volume, produção de resina da primeira, segunda e terceira coleta, produção de resina por estria e total. A acurácia foi alta para todos os caracteres de crescimento, silvicultural e resinífero, exceto para o MOEd, o entrenó e o índice de seleção, os quais apresentaram acurácias moderadas. As herdabilidades individual e média de progênies variaram de 0,08 a 0,51 e 0,35 a 0,76 entre os caracteres de crescimento, silviculturais e resiníferos, respectivamente. As porcentagens de breu e terebentina da resina total variaram de 74,6% a 95% e de 5% a 25,4%, respectivamente. As porcentagens de alfa pineno, beta pineno e canfeno variaram de 29,80% a 84,92%; 2,43% a 44,42% e 0,68% a 2,29%, respectivamente. As porcentagens de ganho genético com a seleção para volume de madeira e resina foram maiores, 63,50% e 50,87%, respectivamente, com o método de seleção individual com pressão de seleção de 2%. A diversidade genética foi maior para madeira e resina no método de seleção dentro de progênie, variando de 0,97 a 1,00. Para a qualidade da madeira, os índices de qualidade de papel e celulose (Coeficiente de Flexibilidade, Fração Parede, Índice de Runkel e Índice de Enfeltramento) foram de 69,92%, 30,08%, 0,57 e 68,69%, respectivamente. As correlações genéticas com maiores expressões positiva foi entre os conjuntos de caracteres de crescimento (DAP, altura e volume) e resiníferos (produção de resina da primeira e segunda coleta, produção resina por estrita e total), as características da madeira (velocidade, MOEd e índice de seleção) e os caracteres silviculturais (ângulo do galho, grossura do galho, entrenó, forma de fuste, caracteres silviculturais). Nas correlações fenotípicas as maiores expressões ocorreram entre o volume, o DAP, produção de resina da primeira e segunda coleta, produção de resina total, MOEd, velocidade, grossura e ângulo do galho, caracteres silviculturais e índice de seleção. As 72 progênies foram agrupadas em 10 grupos, sendo o primeiro com maior número de progênies. O teste genético apresentou variabilidade genética significativa para os caracteres avaliados, indicando possibilidade de obtenção ganho genético para formação de pomares de sementes por mudas e clonais, bem como para exploração em futuras gerações de melhoramento genético.

Resumo (inglês)

In regions with a predominantly tropical climate in Brazil, varieties of Pinus caribaea, commonly known as tropical pines, have shown greater adaptability. Therefore, the aim of this study was to estimate the genetic variability of a progeny test of Pinus caribaea var. bahamensis for the formation of a seed orchard by seedlings for the production and quality of wood and resin. The material used was a 34-year-old open-pollinated progeny test of P. caribaea var. bahamensis. The experiment was set up in the municipality of Assis, SP, in a randomized complete block design, consisting of 72 progenies, one plant per plot with 28 repetitions, totaling 2,016 trees, at a spacing of 6 x 6 meters. Growth characters (DBH, total height, volume) and stem shape (stem shape, taper, internode width, branch angle and thickness) and wood characteristics (sound velocity and dynamic modulus of elasticity) were evaluated. The size of the tracheids for the paper quality indices and pulp were evaluated. The resin production of all remaining individuals was also measured. All the data obtained was subjected to normality analysis and descriptive analysis, and deviance analysis and the estimation of variance components and genetic parameters were carried out. Significant differences were observed between the progenies for all the characters evaluated The average values obtained for DBH, height, volume, selection index and total resin yield were 47.95 cm, 26.45 m, 2.34 m³ arv -1, 3,641.71 and 5.07 kg. arv -1 year -1, respectively. The coefficients of relative variation were highest for DBH, volume, resin production from the first, second and third harvests, resin production per groove and total resin production. Accuracy was high for all growth, silvicultural and resin characters, except for MOEd, internode and selection index, which showed moderate accuracies. Individual and average progeny heritabilities ranged from 0.08 to 0.51 and 0.35 to 0.76 for growth, silvicultural and resin characters, respectively. The percentages of pitch and turpentine in the total resin ranged from 74.6% to 95% and from 5% to 25.4%, respectively. The percentages of alpha pinene, beta pinene and camphene ranged from 29.80% to 84.92%; 2.43% to 44.42% and 0.68% to 2.29%, respectively. The percentages of genetic gain from selection for wood volume and resin were higher, 63.50% and 50.87%, respectively, with the individual selection method with 2% selection pressure. Genetic diversity was higher for wood and resin in the within-progeny selection method, ranging from 0.97 to 1.00. For wood quality, the pulp and paper quality indices (Flexibility Coefficient, Wall Fraction, Runkel Index and Thinning Index) were 69.92%, 30.08%, 0.57 and 68.69%, respectively. The genetic correlations with the highest positive expressions were between the sets of growth characters (DBH, height and volume) and resin characters (resin production of the first and second collection, resin production per stricture and total), wood characteristics (speed, MOEd and selection index) and silvicultural characters (branch angle, branch thickness, internode, stem shape, silvicultural characters). In the phenotypic correlations, the greatest expressions occurred between volume, DBH, resin production from the first and second collection, total resin production, MOEd, speed, thickness and angle of the branch, silvicultural characters and selection index. The 72 progenies were grouped into 10 groups, with the first having the largest number of progenies. The genetic test showed significant genetic variability for the characters evaluated, indicating the possibility of obtaining genetic gain for the formation of seedling and clonal orchards, as well as for exploitation in future generations of genetic improvement.

Descrição

Idioma

Português

Como citar

SANTOS, T. C. S. Seleção de progênies de Pinus caribaea Morelet var. bahamensis Barrett & Golfari para produção e qualidade de madeira e resina. 2023. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2023.