A unidade múltipla do desenvolvimento no espaço rural de Pelotas/RS: a ideia, os projetos e os processos

Imagem de Miniatura

Data

2021-01-12

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Desde a segunda metade do século XX, o termo desenvolvimento povoa o imaginário coletivo e permeia os debates midiáticos protagonizados por políticos, economistas e representantes de organizações da sociedade civil. Em linhas genéricas, o vocábulo faz referência a uma tentativa de promover transformações positivas nas realidades enfocadas. No entanto, os projetos e processos mobilizados com o intuito de alcançar a concretização dessa ideia passaram por significativas transformações ao longo dos anos. No caso dos espaços rurais, dimensão espacial privilegiada pelo trabalho, os projetos de desenvolvimento também vivenciaram profundas ressignificações até alcançarem uma maior aproximação com as expectativas das populações rurais. Com base nesse panorama, a presente pesquisa objetiva compreender as concepções de desenvolvimento que orientam as demandas de agricultores familiares e norteiam a ação de gestores públicos e extensionistas ligados à operacionalização das políticas públicas para a agricultura familiar no município de Pelotas/RS. Para alcançar esse objetivo, o trabalho se orienta pelos direcionamentos delineados pelo pensamento complexo proposto por Edgar Morin e por uma metodologia de corte qualitativo. A apreensão das concepções dos quatro grupos pesquisados (gestores, extensionistas, agricultores atendidos por políticas públicas agrícolas e agricultores não atendidos por políticas públicas agrícolas) foi alcançada por meio da realização de entrevistas e, posteriormente, da aplicação dos procedimentos de análise de conteúdo ao material já transcrito. Os resultados alcançados indicam que existe uma profunda vinculação entre as concepções dos grupos pesquisados e os discursos hegemônicos no campo do desenvolvimento rural. A perspectiva de um desenvolvimento alternativo, mais conectado com a realidade dos espaços rurais, é consenso entre os entrevistados. Entretanto, os mesmos reconhecem que, na prática, ainda encontram dificuldades para converter ideias e projetos em prática. Existem divergências entre os quatro grupos pesquisados, de modo geral, gestores e extensionistas possuem um olhar mais otimista quanto ao desenvolvimento do município, enquanto os agricultores assumem uma visão mais cética, embora confiante no potencial de mudança do trabalho coletivo. Razão pela qual se entende que as futuras trajetórias do desenvolvimento rural de Pelotas ainda podem ser escritas a partir do enfrentamento dos problemas locais e da valorização dos avanços conquistados. A limitação imposta por certos aspectos estruturais não deve ser ignorada, mas não pode desmobilizar a multiplicidade de potenciais que reside nos lugares.
Since the second half of the 20th century, the term development has seized the collective imagination and permeated media debates steered by politicians, economists and representatives of civil society organizations. Broadly, the term refers to an attempt to promote positive transformation in targeted realities. However, the projects and processes mobilized to implement this idea have experienced significant changes over the years. In the case of rural spaces – a spatial dimension privileged by work – development projects have also undergone profound resignification until becoming more aligned with the expectations of rural populations. In view of this panorama, this doctoral dissertation aims to reflect upon the conceptions of development that route the demands of family farmers and guide the action of public managers and extension workers linked to the operationalization of public policies for family farming in the municipality of Pelotas, state of Rio Grande do Sul, Brazil. For this purpose, the study drew on outsets of Edgar Morin’s Complex Thought and on a qualitative research method. The conceptions underlying the four groups studied (public managers, extension workers, farmers covered by public policies, and farmers not covered by public policies) were comprehended by means of interviews and subsequent content analysis of the transcribed material. The achieved results point to a deep link between the studied groups’ conceptions and the hegemonic discourses in the field of rural development. As regards the perspective of an alternative development, more connected with the reality of rural spaces, there is a consensus among respondents. However, they recognize that, in concrete terms, they still find it difficult to convert ideas and projects into practice. There are divergences between the four groups studied: in general, managers and extension workers have a more optimistic view of the municipality’s development, whereas farmers take a more skeptical view, yet confident regarding the potential for change through collective work. For this reason, it is understood that future trajectories of rural development in Pelotas can still be pursued by both facing local problems and valuing the advances so far achieved. The limitation imposed by certain structural aspects should be taken in account; however, it should not demobilize the multiple potentials of places.

Descrição

Palavras-chave

Desenvolvimento, Espaço rural, Agricultura familiar, Políticas públicas, Complexidade, Development, Rural space, Family farming, Public policy, Complexity

Como citar