Segregação e distinção social na arquitetura residencial da região metropolitana de São Paulo: o condomínio clube Auge Home Resort

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2016-09-06

Autores

Mancini, Bruno Fabri [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

As cidades brasileiras são marcadas por processos de urbanização excludentes e seletivos, em que os contrastes e desigualdades sociais estão presentes de forma marcante na estrutura do espaço urbano e na configuração de sua paisagem. Na região metropolitana de São Paulo, a partir da década de 1970, surge um modelo de empreendimento residencial que se caracteriza pelo isolamento de edifícios em grandes lotes murados e protegidos, servidos de espaços de lazer e serviços habitualmente encontrados na cidade aberta. Com a complexificação recente da questão urbana, em que ricos e pobres muitas vezes ocupam os mesmos espaços, este modelo de empreendimento ganhou espaço e se difundiu a partir de discursos fundamentados na experiência do medo da violência urbana, explicitando os processos históricos de segregação social. Outra dimensão da conformação dos espaços residenciais fechados é a que diz respeito às questões simbólicas expressas através da arquitetura destes empreendimentos, tanto em sua estruturação espacial como em suas opções estilísticas. Neste sentido, o que se pretende é uma análise do fenômeno de difusão do modelo de condomínio fechado tipo clube a partir destas duas óticas complementares, às quais podemos definir a partir dos conceitos de segregação e distinção.
The Brazilian cities are marked by excluding and selective urbanization processes in which the contrasts and inequalities are deeply present in the urban space structure and in its landscape configuration. In São Paulo metropolitan area, since the 1970’s, a model of real estate development appears, characterized by isolated buildings within a large, walled and protect area served by recreational spaces and services usually found in the open city. The recent increase in urban scenario, in which rich and poor people many times occupy the same spaces, this type of real estate development has gained space and spread from fear experiences and urban violence speeches, showing the historical social segregation processes. Another dimension of closed residential areas is that of symbolic matters expressed by the architecture of these developments, either on its spatial structure or on its stylistic choices. In this sense, we pretend to analyze the phenomenon of diffusion of this model of real estate development – the gated communities – from two different but complementary points of view we can define from the concept of segregation and distinction.

Descrição

Palavras-chave

Condomínio fechado, Segregação, Paisagem urbana, Distinção social, Gated communities, Urban landscape, Segregation, Social distinction

Como citar