Avaliação das células de leydig e da esteroidogênese em testículos de ratos tratados com paroxetina

Imagem de Miniatura

Data

2022-05-20

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Os antidepressivos e sua utilização na prática clínica trouxeram um avanço importante no tratamento e no entendimento da depressão. Atualmente, são conhecidas diversas classes de antidepressivos, entre eles, os inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), como a paroxetina que inibe de forma potente e seletiva resultando em potencialização desse neurotransmissor serotonérgico. É frequente a prescrição de antidepressivos e são escassos os estudos sobre o efeito deste fármaco na histofisiologia testicular. Nesse estudo, avaliou-se os efeitos da paroxetina na integridade estrutural e funcional do testículo, com ênfase na integridade das células de Sertoli e na atividade esteroidogênica das células de Leydig (CL). Foram utilizados 18 ratos machos da linhagem Holtzman, distribuídos em três grupos (n=6): Grupo Controle (GC), Grupo Paroxetina 35 dias (GP35), Grupo Paroxetina 65 dias (GP65). Os animais do GP35 e GP65 receberam, diariamente, 10mg/kg de paroxetina por 35 dias. No GP65, o tratamento foi interrompido por mais 30 dias. Os animais dos GC receberam água destilada por 35 dias. Os testículos foram removidos, fixados em formaldeído 4%, desidratados e incluídos em historesina e parafina. O sangue foi coletado para dosagem de testosterona total sérica. Nos cortes de historesina, corados com HE, foram medidos os diâmetros menor e maior do núcleo das CL, e a área nuclear foi obtida. Os cortes de parafina foram submetidos à reação de imunofluorescência para detecção da enzima esteroidogênica 17β-HSD7 nas CL. Os dados foram submetidos à análise de variância (one-way ANOVA) seguida pelo teste de Tukey. Nos túbulos seminíferos dos animais do GP35 e GP65, foi notada uma intensa descamação de células na luz tubular, epitélio desorganizado, além de células de Sertoli com núcleos irregulares e ausência de células germinativas em algumas regiões do epitélio. As CL apresentaram núcleos aparentemente menores, irregulares e fortemente basófilos, com características de apoptose. Nas secções testiculares dos animais do GP35 e GP65 submetidas à imunofluorescência para detecção de 17β-HSD7, as CL mostraram uma fraca marcação desta enzima, indicando menor atividade esteroidogênica. O tratamento de ratos adultos com paroxetina interferiu na atividade esteroidogênica das CL. Esta falha androgênica deve ser a principal causa das alterações verificadas no epitélio seminífero. Esta ideia é reforçada pelo fato de que, tanto os baixos níveis de testosterona quanto as alterações tubulares ainda foram detectadas, mesmo após a interrupção do tratamento por 30 dias.
Antidepressants and their use in clinical practice have brought an important advance in the treatment and understanding of depression. Currently, several classes of antidepressants are known, including selective serotonin reuptake inhibitors (SSRIs), such as paroxetine that inhibits serotonin reuptake, resulting in potentialization of this serotonergic neurotransmitter. Antidepressants are often prescribed and there are no studies on the effect of this drug on testicular histophysiology. In this study, we evaluated the effects of paroxetine on the structural and functional integrity of rat testes, focusing on the integrity of Sertoli cells and the steroidogenic activity of Leydig cells (LC). Eighteen male Holtzman rats were divided into three groups (n=6): Control Group (CG), Paroxetine Group 35 days (PG35), Paroxetine Group 65 days (PG65). The animals of PG35 and PG65 received 10mg/kg of paroxetine daily for 35 days. In PG65, the treatment was discontinued for 30 days. The animals of the CG received distilled water for 35 days. The testes were removed, fixed in 4% buffered formaldehyde, dehydrated, and embedded in historesin and paraffin. Blood was collected for detection of serum testosterone levels. In the H.E-stained historesin sections, the minor and major diameters of LC nucleus were measured. Paraffin sections were submitted to immunofluorescence reactions for detection of the steroidogenic enzyme 17β-HSD7 in LC. The data were statistically analyzed by Student’s t-test or Tukey test. In the seminiferous tubules of PG35 and PG65, detached germ cells in the tubular lumen and disorganized epithelium were observed. Moreover, Sertoli cells with irregular nucleus and absence of germ cells in some regions of the epithelium were also noted. LC showed smaller, irregular, and strongly basophilic nucleus, indicating apoptosis. In testicular sections of PG35 and PG65 animals, LC showed weak 17β-HSD7 immunolabelling, indicating low steroidogenic activity. The treatment of adult rats with paroxetine impaired the steroidogenic activity of LC. This androgenic failure must be the main cause of the alterations verified in the seminiferous epithelium. This idea is reinforced by the fact that both low testosterone levels and the tubular changes were still detected after the interruption of the treatment for 30 days.

Descrição

Palavras-chave

Paroxetina, Células de Sertoli, Células de Leydig, Testículos

Como citar