Responses of the geometric indices of heart rate variability to the active orthostatic test in women

Nenhuma Miniatura disponível

Data

2014

Autores

Abreu, Luiz Carlos de
Roque, Adriano L. [UNESP]
Castro, Bianca C. R. de [UNESP]
Sousa, Ana CecÍlia Amorim de
Vanderlei, Luiz Carlos M. [UNESP]
Ferreira, Lucas L. [UNESP]
Raimundo, Rodrigo Daminello
Fonseca, Fernando L. A.
Valenti, Vitor Engrácia [UNESP]
Cisternas, José R.

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

OBJECTIVES: The effects of the orthostatic test on the cardiovascular system have been investigated, but there are no data on the behavior of the geometric indices of heart rate variability. We evaluated the effects of the active orthostatic test on the geometric indices of heart rate variability in women. METHOD: The study was performed on 12 healthy women between ages 18 and 30. For the analysis of heart rate variability, heart rate was recorded beat-to-beat. The RR intervals were transformed into geometric figures, and from these we calculated the triangular index, the triangular interpolation of RR intervals, the SD1, SD2 indexes and the SD1/SD2 ratio, which were obtained from the Poincaré plot. Visual analysis of the plot was also performed. For the test, participants quickly stood up from a seated position in 3 seconds or less, and remained standing still for 15 minutes. Heart rate variability samples were collected at four moments: rest, 0-5 minutes, 5-10 minutes and 10-15 minutes at standing position. RESULTS: The triangular index, the triangular interpolation of RR intervals, the SD1 and SD2 indices were reduced (p < 0.05) at 10-15 minutes after the volunteers stood up from seated position. The SD1/SD2 ratio was decreased at 0-15 minutes after the subjects changed from seated to orthostatic position.
OBJETIVOS: Os efeitos do teste ortostático sobre o sistema cardiovascular já foram investigados, mas não há dados sobre o comportamento dos índices geométricos de variabilidade da frequência cardíaca. Aqui,f oram avaliados os efeitos do teste ortostático ativo nos índices geométricos de variabilidade da frequência cardíaca em mulheres. MÉTODO: O estudo foi realizado em 12 mulheres saudáveis com idades entre 18 e 30 anos. Para a análise da variabilidade da frequência cardíaca, este parâmetro foi registrado batimento a batimento. Os intervalos RR foram transformados em figuras geométricas e, a partir destas, foi calculado o índice triangular, a interpolação triangular dos intervalos RR, o SD1, SD2 e a relacão SD1/SD2, que foram obtidos a partir da plotagem de Poincaré. A análise visual do gráfico foi também realizada. Para o teste, os participantes levantaram-se rapidamente de uma posicão sentada (em 3 segundos ou menos) e permaneceram imóveis, de pé, por 15 minutos. Amostras de variacão de frequência cardíaca foram coletadas em quatro momentos: repouso, 0-5 minutos, 5-10 minutos e 10-15 minutos a pé. RESULTADOS: O índice triangular, a interpolacão triangular dos intervalos RR, o SD1 e SD2 índices apresentaram-se reduzidos (p < 0,05) no intervalo 10-15 minutos depois de os voluntários se levantarem. A relacãoSD1/SD2 apresentou-se reduzida durante o intervalo 0-15 minutos depois dos participantes passarem à posicão ortostática. CONCLUSÃO: Os índices geométricos de variabilidade da freqüência cardíaca diminuiram em resposta ao teste ortostático ativo em mulheres saudáveis.

Descrição

Palavras-chave

Como citar

Medical Express, v. 1, n. 6, p. 351-355, 2014.