Influência da desinfecção química e do tempo de armazenagem sobre as propriedades físicas das próteses oculares

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2011-02-04

Orientador

Goiato, Marcelo Coelho
Santos, Daniela Micheline dos

Coorientador

Pós-graduação

Odontologia - FOA

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Dissertação de mestrado

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (português)

As próteses oculares são responsáveis pela recuperação da estética e auto-estima do usuário. Assim, os materiais utilizados na confecção de prótese ocular devem possuir propriedades específicas para sua indicação e durabilidade. Desse modo, é importante avaliar o comportamento destes materiais quando influenciados por diversas soluções desinfetantes. Este estudo teve como objetivo avaliar a microdureza, rugosidade superficial e alteração de cor de próteses oculares sobre a influência da desinfecção química e armazenagem. Foram confeccionadas 50 amostras simulando próteses oculares contendo duas resinas acrílicas (N1 e incolor), distribuídas em cinco grupos de acordo com o desinfetante utilizado: sabão neutro (I), opti-free (II), efferdent (III), hipoclorito a 1% (IV) e clorexidina a 4% (V). As amostras foram armazenadas por 120 dias, sendo desinfetadas durante este período. As leituras de microdureza, rugosidade e cor das amostras foram realizadas em um período inicial (B) e após 60 (T1) e 120 (T2) dias de armazenagem com desinfecção. A microdureza foi mensurada por meio de um microdurômetro, e a rugosidade determinada por um rugosímetro. A leitura de cor foi realizada por meio da espectrofotometria de reflexão, usando o sistema CIE L*a*b*. A alteração de cor (ΔE) foi calculada para os períodos entre T1 e B (T1B), e T2 e B (T2B). Pelos resultados obtidos a resina N1 para esclera apresentou menor microdureza estatisticamente significante, comparada a resina incolor (P<0,05). A maior alteração dos valores de microdureza e rugosidade foi obtida para os grupos IV e V. Ambos os períodos de desinfecção e armazenagem produziram alterações significativas (P<0,05) nas amostras com diminuição dos valores de...

Resumo (inglês)

Ocular prostheses are responsible to restore not only patient’s aesthetic but also its self-esteem. The materials used to fabricate the ocular prostheses should present specific properties regarding its indication and durability. Therefore, it is important to investigate the physical behavior of such materials when subjected to different disinfectant solutions. This study evaluated the microhardness, surface roughness and color stability of ocular prostheses under the influence of different chemical disinfectant solutions and storage. A total of 50 samples simulating an ocular prosthesis containing two acrylic resins (N1 and colorless) were fabricated. They were divided into five groups as a function of disinfectant solution: neutral soap (I), opti-free (II), efferdent (III), 1% hypochlorite (IV) and 4% chlorhexidine (V). Samples were storage during 120 days, and they were disinfected throughout the period. Microhardness, roughness and color measurements were performed at baseline (B), after 60 (T1) and 120 (T2) days of storage with disinfection. The microharness and the roughness measurements were evaluated using a microdurometer and a roughness meter, respectively. Samples colors were measured with spectrophotometer using CIE L*a*b* system. Color differences (ΔE*) were calculated for periods between T1 and B (T1B), and T2 and B (T2B). The N1 acrylic resin exhibited statistically lower microhardness when compared to the colorless acrylic resin (P<0.05). The highest microhardness and roughness alterations were observed for groups IV and V. Both disinfection and storage periods statistically reduced the microhadness values and increased the roughness values of the samples (P<0.05). Color alteration was... (Complete abstract click electronic access below)

Descrição

Idioma

Português

Como citar

MORENO, Amália. Influência da desinfecção química e do tempo de armazenagem sobre as propriedades físicas das próteses oculares. 2011. 170 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Odontologia de Araçatuba, 2011.

Itens relacionados